12 de janeiro de 2015

"Não gosto da bivó!"

À porta da escolinha o meu filho diz: vai ali o avô da L. e ele é totó! Eu disse logo que não era bonito dizer isso de um senhor tão velhinho. Mas ele fica ali nas cadeiras a dormir de boca aberta (enquanto faz tempo para ir buscar as netas). Eu disse logo: Tu gostavas que alguém chamasse um nome feio à bivó? que é tão querida. E ele diz: oh, mãe, eu também não gosto muito da bivó. Não gosto de velhos!

E o meu coração parou e é numa fracção de segundos que temos de pensar no que dizer.
Mas não gostas porquê? Eu adoro a bivó, sabes? É a minha avó querida. E era ela que me contava histórias e me ia buscar à escola quando eu tinha a tua idade. E a bivó não foi sempre velhinha. Era linda quando era nova. E sabes que desde que o bivô morreu que a avó está mais sozinha... E temos de aproveitar bem para estar com ela, que adora ver-vos crescer, saber que a nossa família continua a existir mesmo depois dela já cá não estar. Tenho tantas saudades do bivô... E aqui emocionei-me. Ele ficou a ver as lágrimas escorrerem-me pelos olhos... E Depois eu falei-lhe do filme do senhor velhinho, como ele diz, o Up, altamente, que ele adorava, mas ele interrompeu: não me fales desse filme. Odeio. Nunca mais o quero ver... 

E eu fiquei com a sensação que algo nele tinha mudado em relação à percepção da morte... E depois fomos interrompidos por amigos que vinham a sair e ele foi brincar mais um pouco na porta da escola.

Depois comentei isto com o meu marido e ele diz que é normal. As pessoas mais velhas estão sempre a pedir beijos, a dizer para cumprimentar se não é feio, que se não come tudo é feio, as casas são tipo museu onde não se pode mexer nem tocar à vontade... A minha avó, a bivó deles tem 92 anos e está muito bem de cabeça e de corpo, está mesmo maravilhosa para a idade, mas claro, tem o rosto vincado pelas rugas, o cabelo branco, não ouve muito bem... Houve uma altura que o Afonso nem se aproximava... Eu acho-a linda e é a minha querida avozinha…

Eu não o recriminei porque acho que não devemos criticar os sentimentos, ele tem o direito de sentir isto (claro que não pode dizer à bivó, não pode ser mal educado nem indelicado e afins), mas acho importante ele não se sentir julgado para ter sempre confiança e segurança para me dizer o que sente. Em vez de o criticar, falei-lhe dos meus sentimentos... pela avó e pelos velhinhos em geral.

E vocês. já passaram por isto? O que fariam?

4 comentários:

  1. Mostra-lhe fotos de quando eram mais novos, e com os filhos pequenos para ele perceber a evolução! E talvez ensinando-lhe algo e depois dizer que foi a tua avó que te ensinou... Sei lá, difícil esta situacao!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Isa, obrigada pela tua resposta. Mostar fotos antigas é gira... e o caldinho de natal que ele adora também é receita da bivó. Obrigada

      Eliminar
  2. Eles ficam muito assustados com os velhotes porque são os que estão mais perto da morte e eles têm medo de morrer. Não fazem ideia do que é nem porque acontece. É simplesmente demasiado assustador, é o que os tira de perto dos pais, eles nem querem pensar nisso. Mais vale durante esta primeira infância nem tocar no assunto, ninguém morre. Depois com o tempo a "coisa" evolui naturalmente. Sou da opinião que não vale a pena criar-lhes esse stress adicional.

    ResponderEliminar
  3. eu também era assim, há 30 e tal anos atrás com a avó da minha mãe, a minha mãe conta que eu dizia que ela cheirava a xixi e estava suja (eram as tais rugas na cara)!!! Não sei como a minha mãe fez para contornar! Mas a verdade é que não gosto muito de beijos e talvez o teu marido tenha razão nesse aspecto. Não deve ser fácil para eles entenderem....

    ResponderEliminar

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!