22 de julho de 2017

Dia bom entre amigos... amigos dos filhos e novos amigos dos pais!

Hoje tivemos um almoço e à tarde um aniversário. O giro é que ambos estes novos amigos nos chegaram através dos nossos filhos. Ao almoço fomos convidados para ir a casa de um amigo do Afonso, com quem nos começámos a dar este ano, mas com quem tem havido uma empatia crescente, uma conversa muito boa e uma afinidade gira. E é bom fazer amigos novos aos 40 anos. É bom conhecer pessoas com as quais nos identificamos. Foi um óptimo almoço em óptima companhia (obrigada C. e V. por nos terem recebido tão bem e nos terem feito sentir em casa logo na primeira visita). Claro que no fim já os miúdos implicavam e desatinavam com sono e cansaço, mas nós teríamos ficado toda a tarde na conversa. De lá seguimos directos para o aniversário do R. irmão mais novo de um grande amigo da creche do meu filho Alexandre. Eu e a mãe dele tornámo-nos amigas e os nossos filhos não perderam o contacto nem a amizade e continuam presentes na vida um do outro, apesar de terem seguido para escolas diferentes. Fazemos imensos programas, já passámos fins de semana juntos e dias soltos nas férias. E  nós, as mães, somos companheiras de ginásio! E lá nos vamos desafiando uma à outra e deitando conversa fora, que sabe tão bem! Os amigos chegam à nossa vida de diversas formas, estes chegaram-nos pelas mãos dos nossos filhos. 

21 de julho de 2017

Ementa semanal a pensar nas férias!

Quando vou para o Algarve gosto sempre de levar comidas pré cozinhadas que me facilitem a vida nas férias. Como não gosto de comparar comida congelada já feita, como com crianças em Agosto é quase um inferno ir jantar fora, como não tenho empregada nas férias e como a ideia é também conseguir descansar um bocadinho... Sim, um bocadinho, porque que quem vai verdadeiramente de férias são os meus filhos! Mas para tentar facilitar as refeições para a semana planeei um menu para fazer já em sobras e levar. 

Segunda feira
Bacalhau à Brás - Vou cozinhar/ refogar logo duas embalagens de bacalhau congelado desfiado, uso uma porção para o jantar e o restante congelo em caixas individuais e depois é decidir qual é o prato e o bacalhau já está pronto: ex: bacalhau no forno com puré e espinafres; lasanha de bacalhau...

Terça feira
Almôndegas - Além das almôndegas para o jantar, fazem-se mais e depois levo duas doses embaladas individualmente. Depois é só descongelar, cozer esparguete e já está!

Quarta feira
Lasanha de atum - fazemos duas. Uma vai logo para o congelador. Uma salada feita na hora e está feito!

Quinta feira
Arroz de pato - Um pato dá sempre para dois pirex. Um  é para o jantar e o outro para congelar. Só falta a salada.

Sexta feira 
Esparguete à bolonhesa e  - comprei dois quilos de carne picada que vai ser cozinhada e colocada em caixas, já preparada. Depois é inventar: empadão, lasanha, cannelonis, com wraps e feijão, com arroz... 

Levo mais ou menos metade das refeições já pré preparadas. Lá compramos peixe e carne para grelhar, vamos uma o outra noite jantar fora... É importante simplificar, mas sem descurar os cuidados que gostamos de ter com a alimentação. Levo também sopa congelada, em unidoses,  um frango, assado em casa, e desfiado que é só juntar legumes e uma massa e já está!

20 de julho de 2017

O meu filho mais velho foi ao primeiro velório

Partiu ontem a querida M. mãe do meu querido compadre Pedro e avó da querida madrinha da Francisca... Não era avó dos meus filhos, mas eles tratavam-na por avó. Já tinha passado os 90 anos e partiu em paz... Esteve muito bem até há pouco tempo, altura em que ainda estivemos com ela nos seus "banquetes" de domingo, como lhe chamou ontem o meu filho grande. Os "banquetes" de domingo não eram mais do que simples lanches ajantarados onde a M. reunia os 5 filhos, noras, genros, netos, netas, maridos das netas... E nós, apesar de não sermos família de sangue, estávamos muitas vezes nesses "banquetes" de domingo. A M. gostava muito de nós, adorava os meus filhos, que lhe invadiam a casa com rebuliço, e eles retribuíam sempre a ternura. A M. nunca obrigou a dar beijinhos à chegada, que é algo que atormenta o meu filho Afonso, mas era certo que à saída recebia sempre beijos e abraços... Ontem soubemos que tinha partido em paz. Quando contámos ao Alexandre que íamos ao velório ele quis logo ir. "É a mãe do meu padrinho. Eu quero ir." Mais tarde, perguntou: "Nunca mais vamos ter os banquetes de domingo?" Todos se comoveram com a ternura do meu filho e já estão prometidos "banquetes" de domingo em memória da M. Foi a sua primeira ida a um velório. Não queria que ele entrasse na capela mortuária, mas ele fez questão. A M. estava tapada e por isso deixámos que ele fosse. Estava curioso com tudo, como é natural. Emocionou-se com as minhas lágrimas. Distribuiu abraços bons a quem estava triste. E o meu querido compadre gostou de o sentir lá, de o abraçar, e de saber que o seu afilhado guardará na memória a sua querida Mãe e os "banquetes" de domingo. Porque enquanto a memória da M. perdurar nos mais pequenos, a M. ficará sempre connosco. 

19 de julho de 2017

Amor em Berlim na RTP2

Comecei a ver a série Amor em Berlim e apesar da dureza da língua alemã estou a gostar bastante. Os episódios são curtos e a história está bem contada. É uma série simples, mas que cativa. A mim, pelo menos, cativou. Não é uma série comercial americana, mas acho que vale a pena. 



Consulta de ortopedia a dobrar!

O Afonso anda sempre a correr e mete os pés um bocadinho para dentro. Várias pessoas chamaram-me a atenção para isso. O Alexandre tem os joelhos um pouco salientes. Nunca liguei e achei que era por ser muito magro. Até porque ficou mais notório quando ele deu um pulo de crescimento neste inverno. Mas chamaram-me a atenção para isso. Nada como esclarecer todas as dúvidas. Marquei para um ortopedista pediátrico, o mesmo que tinha visto a anca Francisca depois de ela ter nascido pélvica, e de quem tinha gostado bastante. Vim de lá muito tranquila. Faz parte do desenvolvimento das crianças, faz parte do crescimento... Até aos 12 anos eles estão em formação. Pediu para serem vistos novamente daqui a 3 anos, salvo alguma situação de urgência antes. E para não nos preocuparmos. Antigamente, há muitos anos, a medicina ainda não tinha percebido esta evolução do crescimento e atormentavam as crianças com botas ortopédicas e operações, mas hoje em dia, segundo o médico, já se percebeu que os pés ligeiramente para dentro fazem parte da evolução do crescimento e da rotação da perna das crianças... Claro que depois há umas crianças que continuam a por os pés para dentro e têm de ser corrigidas, mas a grande maioria vai ao sítio... Nada como ouvirmos que está tudo bem com os nossos filhos!

3 da manhã e 3 filhos acordados! Foi uma noite difícil!

A Patanisca acordou a chorar às 2h30 da manhã. Fui lá e ajudei-a adormecer na cama dela, mas isso implica choro. O mais velho acordou mordido pelas melgas. Não conseguia dormir. O do meio acordou com o choro da mana. Não conseguia dormir. Meteram-se os dois na minha cama. Depois era eu que não conseguia dormir. A Francisca voltou a chorar. Foi lá o pai e depois fugiu para a cama do Afonso. Depois a Francisca voltou a acordar, queria conversa. Eram quase 5 da manhã. 

18 de julho de 2017

Cama nova!

O filho Afonso não gostava de dormir numa cama de gaveta. Eu vi este beliche, super baixinho e barato e decidimos comprar. Vendi a cama deles de gaveta e fizemos-lhes uma surpresa. E foi a loucura! Estão os dois felizes! O mais velho em cima, o mano em baixo! E a altura máxima do beliche é 130.5 cm, o que faz com que seja simples fazer a cama e em caso de acidente a queda é menor que nos beliches tradicionais... Mas claro que todas as recomendações foram dadas para que não haja nem corridas nem saltos. E a mana está proibida de ir lá para cima.

Imagem Ikea

Voltei a mudar a imagem do blog

Não estava contente com a imagem do blog e voltei a mudar, voltando a ficar parecida com a imagem inicial, mais simples... 

16 de julho de 2017

2 anos do meu afilhado!!❤️

Fez anos na sexta feira, mas estava doentinho e só hoje comemorámos!! Foi um almoço bom com a família da minha grande amiga C. Somos amigas há 26 anos!!! E gosto sempre de estar com ela. E foi um enorme orgulho ser escolhida para madrinha. Nestes almoços e festas de família gosto sempre de rever a mãe e o padrasto dela, que tão presentes estiveram na nossa adolescência! Éramos quase vizinhas e eram quase sempre eles que nos iam buscar nas saídas à noite. Passámos muitos e bons tempos em casa uma da outra, férias juntas... Um à vontade muito grande para chegar, jantar, ficar a dormir... E hoje em dia, quase com 40 anos, já temos maridos, filhos, ela tem também enteados, somos comadres e amigas! Muitas foram as pessoas que, por motivos vários, entraram e saíram da minha vida, mas houve quem tivesse ficado de pedra e cal. A C. foi uma delas. E foi muito bom festejar hoje com ela o segundo aniversário do meu querido afilhado!! Muita saúde é o que eu peço para mim e para todos os que amo. Sim, pode ser clichê, mas eu desde que fui mãe ganhei medo de morrer, perdi uma certa leveza, uma boa dose de descontração... Tornei-me mais responsável e provavelmente mais chata! É a vida:)))

Uma casa aberta!

Gosto que a nossa casa tenha a porta sempre aberta para a família e os amigos. Gosto que os meus filhos saibam que os amigos deles são sempre bem-vindos cá em casa. Hoje, o meu filho Afonso recebeu cá em casa o seu primeiro amigo da escolinha. Eram 7 da manhã quando se aproximou da minha cama e perguntou: é hoje que o P. vem cá a casa? E ficou feliz quando eu confirmei que sim, era hoje. Há dois dias que não pensava noutra coisa!! Brincaram bem e sem nenhuma briga. Só a pequena Francisca é que se deve ter sentido excluída e de vez em quando uma festinha terminava numa arranhadela ou puxão de cabelo ao amigo do mano. Apesar destes incidentes o Afonso e o seu amigo estavam muito contentes a brincar... E nós os pais aproveitámos para conversar, para nos conhecermos um pouco melhor... Foi um fim de tarde bem bom. É giro quando através dos filhos surgem pessoas com as quais simpatizamos. Na vida, há sempre espaço para novas pessoas, novos conhecimentos, novas histórias. Ficamos sempre mais ricos! 

14 de julho de 2017

Um miminho da Avent para a Francisca!

Ontem, no dia em que fazia 18 meses, a Francisca recebeu um pack das novas chuchas Avent ultra soft, com tecnologia FlexiFit... 

Os meus filhos usam sempre estas chuchas (e nunca aumento de tamanho para eles ficarem sempre com chuchas pequeninas...) e ontem quando recebi este miminho gostei logo imenso da nova embalagem, que ia servir para guardar as chuchas... Mas depois, olhando com mais atenção, percebi que a embalagem também serve para esterilizar as chuchas no micro ondas. Que ideia fantástica! 

13 de julho de 2017

18 meses da minha Francisca!! 💗

A minha terceira filha, a minha primeira menina, o coração a transbordar do peito, o início de mais uma aventura... Antes dela nascer referia-me à bebé quase sempre como a Kika, depois de nascer é sempre Francisca, ou Patanisca ou até chouriça! Por agora, não é uma menina angelical e suave... tem dois irmãos rapazes que ela adora e faz tudo para correr atrás deles! É uma despachada e sabe o que quer. Brinca mais com carrinhos do que com bonecas, adora dançar a ouvir música, é super gulosa... Já teve uma fase em que era um doce de menina, sempre a rir, mas agora já gosta de fazer cara feia... Gosta de bolachas de água e sal e já provou gelados, chocolates e batatas fritas! E no outro dia, para a calar na auto-estrada, quando ela gritava só por gritar numa birra absurda, numa viagem de 3 horas, calei-a com um chupa chupa. Quando eu e o pai não estamos na hora de deitar aninha-se na cama dos irmãos para adormecer com eles... É a princesa lá de casa. A peça que veio completar o nosso puzzle de 5 💗! 

12 de julho de 2017

O meu filho mais velho... e o seu estilo! e os meus nervos!!!

O meu filho mais velho vê um anúncio do Renato Sanches na televisão e fica embasbacado... Oh, mãe, olha só o estilo do Renato Sanches!!


E eu estremeço... Com este meu filho tenho posto em prática, de forma constante e diária, a velha máxima "os gostos não se discutem". Mas tem sido um esforço... Entre os cabelos dos cromos da bola, os fatos de treino à Tufão, os Cap's na cabeça e o Funky do Kevinho...

Isto num filho de uma mãe que gosta de ver os filhos em pandant... Ou melhor, gostava, neste momento já fico feliz quando a escolha é uns simples calções de ganga e uma t-shirt. Claro que a roupa sou eu que compro, mas entre as calças de fato de treino para o desporto, os ténis de futsal e boné para o lado ele arranja maneira de destruir qualquer imagem de bom gosto... e ainda me diz: oh, mãe, já viste o meu estilo! É tão vaidoso e tão cromo!! A última vez, no cabeleireiro, pedia ele à Inês, que o conhece desde que nasceu: Fazes-me umas riscas no cabelo?? Ela olha para mim e diz: não sei fazer isso, desculpa...