23 de maio de 2018

Uma maravilhosa maneira de começar o dia

Não foi bem começar, começar o dia, que de manhã cedo preparei mochilas, pequenos almoços, ajudei a vestir e a gerir uma birra, deixei os 3 na escola, mas pouco depois das 9 estava no ginásio para uma aula de Bodybalace, que mistura tai chi, pilates e yoga... Tão bom arranjar este tempo para mim e poder começar assim o dia!

22 de maio de 2018

22 Maio de 1998

Já passaram 20 anos desde o dia em que a Expo 98 abriu! Fogo! Eu estava lá a trabalhar, comecei uns meses antes em formação, e trabalhei lá o verão todo no pavilhão de um país Asiático! Foi uma experiência única. Nos dias que estava de folga no pavilhão fazia babysiting a dois irmãos, um com 3 e uma com 5 anos, e havia dias em que íamos lá passear, visto que eu tinha passe e eles adoravam. Foi um verão bem cheio! Fiz lá 20 anos. Andava na faculdade, estava a estudar comunicação, apaixonei-me durante a Expo, desapaixonei-me depois... Era tão novinha! Foi uma experiência única e maravilhosa. Adorei. E ainda hoje em dia adoro ir ao espaço onde foi a Expo, um sítio maravilho que Lisboa ganhou!

21 de maio de 2018

A ginástica das mães, dos pais, dos filhos!

Este novo projeto está a roubar-me tempo em família com o maridão e os meus filhos. Decidimos em conjunto eu aceitar este desafio (e este terceiro ordenado) sabendo que seria preciso grande ginástica da nossa parte. O meu marido é mesmo um companheirão! No sábado festejámos os 11 anos de casamento em família, almoço e passeio, foi tão bom! Mas chegámos tão derreados a casa, tão exausta, que caímos redondos a dormir às 10 da noite! Resultado, acorde às 5 com a Kika a pedir a chucha e estava super desperta. Comecei logo a trabalhar e foi fantástico o que a manhã me rendeu. Quando o meu filho mais velho chegou à sala às sete achou que estava a ver mal quando me viu a trabalhar ao computador àquela hora. Mas consegui avançar tudo, que tinha um deadline hoje de manhã e queria acabar tudo ontem. E consegui. A certa altura, estava fechada na varanda a trabalhar, escondida... Tenho um ataque de tosse (estou aflita com alergias, nunca sofri tanto na minha vida) e ouço a Kika, do outro lado da cortina... é a mãe! E fui apanhada!! Já tive algumas queixas dos mais velhos, que até conhecem bem o produto final que eu estou a escrever, porque é para crianças, mas já lhes expliquei que há alturas em que temos novos desafios e que temos de trabalhar mais. Expliquei ainda que é um trabalho que me está a dar muito prazer e que isso é muito bom. E expliquei ainda que recebemos mais dinheiro ao fim do mês, o que também é bom. E disse ainda que quando não posso estar com eles está o pai, tios, primos, a avó! São uns sortudos! E eu continuo aqui sempre para eles, vou levar e buscar à escola, vamos ao parque ao fim da tarde, tenho sempre um dia de fim de semana para eles... E ainda lhes mostrei outros exemplos de mães que trabalham de vez em quando ao sábado e domingo. E eles lá perceberam. E ao fim do dia, quando chegaram depois de terem estado a ver o futebol nos tios e a brincar, abraçaram-me cheios de saudades... Tão bom!

19 de maio de 2018

Obrigada, meu amor!! Amei a surpresa!

Achei que íamos só jantar, entrei no Altice Arena sem saber nada e só quando Sam Smith subiu ao palco percebi o que ia ouvir!! Que espetáculo que foi. Amei o concerto! Amei a surpresa do meu marido e fiquei rendida à voz, ao talento e à simpatia de San Smith. Foi brutal!!


Uma bela maneira de começarmos as comemorações  dos 11 anos de casados!! 
(Queria partilhar um vídeo, mas não consegui...)

18 de maio de 2018

Estou completamente rendida a este livro!

Estou mesmo a gostar. Nunca tinha lido nada deste autor, mas numa só noite li quase 90 páginas! E olhem que estou exausta, mas a leitura sobrepôs-se ao cansaço! 

E é mais um livro 
vindo diretamente da 
Rede de Bibliotecas de Lisboa 


16 de maio de 2018

Não custa dizer bom dia, boa tarde ou boa noite, pois não?

Faz-me tanta confusão as pessoas que não correspondem a uma saudação como o bom dia, boa tarde ou boa noite... Hoje de manhã dei um saltinho ao ginásio e à chegada ao balneário disse bom dia, à saída igualmente... e ninguém respondeu. Está tudo metido para dentro, nas suas vidas... À hora que eu costumo ir, antes de apanhar os miúdos nas escolas, as pessoas são mais simpáticas, já se conhecem, já me conhecem... Mas isso é motivo para nem ouvir um bom dia e retribuir? Faz-me impressão... Não obrigo os meus filhos a darem beijinhos, mas eles sabem que se cumprimentam as pessoas com um bom dia, um boa tarde, um olá... Bom dia para todos!!!


15 de maio de 2018

Há por aí famílias numerosas?

E já são sócias da APFN? 
Se não são, aproveitem para espreitar o site e se se inscreverem hoje recebem a primeira anuidade grátis! Para mim, faz todo o sentido fazer parte da Associação, não só pelos descontos associados, mas para termos voz! Quantos mais sócios fizerem parte, mais peso temos a nível nacional para conseguirmos mais e melhor para as nossas grandes, lindas e barulhentas famílias!

Se quiserem o meu número de sócio, 
para o campo de sócio proponente, 
por favor peçam por email 
para vidasdanossavida@gmail.com

Dia Mundial da Família

Tenho a família com que sempre sonhei e mais ainda! Não somos nada perfeitos, eu então estou carregada de imperfeições, tentando sempre ser uma mãe, filha, mulher, neta, irmã melhor, mas nem sempre consigo... No outro dia, depois de ralhar e me zangar com os meus filhos: roupa suja espalhada, mandar para o banho mil vezes, birras da Kika que agora se atira para o chão aos gritos, bulhas dos irmãos, recusas em obedecer... Foi assim mesmo em bom! Todos do avesso. Quando os deitei o meu filho mais velho disse-me: oh, mãe, nós portamo-nos tão mal que qualquer dia ainda te fartas de nós? Abracei-o e expliquei que não, abracei-os a todos. Expliquei que me zango porque quero que eles aprendam a fazer as coisas certas (roupa suja no cesto, raspar pratos e colocar no lava-louça, preparar roupa de véspera, arrumar mochila, limpar o que se sujou, sapatos arrumados...), que adquiram bons hábitos, que sejam bons meninos, mas que o meu amor por eles é incondicional... Mesmo quando estou mesmo zangada o meu amor por eles continua imenso e único. Que apesar de todas as malandrices e desobediência deles (reforçando que é normal porque eles são crianças que desafiam e testam os limites, estão a aprender a crescer) o meu amor por eles é sempre o maior do mundo. 💓💓💓

13 de maio de 2018

Trabalho de equipa!

Aceitar um novo desafio profissional, conciliando com o trabalho que já tinha, obriga-me a trabalhar muito ao fim de semana (também às noites de semana) e isso faz com que o meu marido ande mais com os miúdos para eu conseguir ficar a trabalhar. Ou fica ele em casa com os miúdos e eu saio com o computador ou vai ele fazer programas com os miúdos e fico eu em casa... Vamos gerindo e aprendendo, até porque este é um novo desafio e ainda estamos a acertar agulhas. No sábado foi ele com os três a uma festa de anos e depois eu juntei-me para um almoço picnic com uns amigos. Domingo de manhã fomos todos à festa de um filho de uns amigos, depois eu vim trabalhar e ele ficou o resto do dia com eles, entre levar o mais velho a mais uma festa, ir com os pequenos a casa de uma irmã e ao supermercado, lá se passou o dia e já chegaram perto da hora de jantar. E não sei quem estava mais cansado, se eu que estive toda a tarde sem levantar cabeça a escrever, ou ele, que andou o dia todo com os miúdos a gerir tudo...  É mesmo trabalho de equipa, que só é possível com este apoio mútuo. Por um lado, é um ótimo desafio profissional para mim, irrecusável, e está a dar-me um gozo incrível, por outro é um 3º ordenado que entra, o que é uma grande ajuda... Sei que por aqui vou andar mais ausente, porque o tempo livre ficou infinitamente menor... Vou tentar não desaparecer de todo!

12 de maio de 2018

Nem só de trabalho se vive...

Sexta feira ao final do dia tinha tinha uma reunião na nova produtora, que fica mesmo no coração do Chiado, por isso organizei tudo, o maridão foi ter comigo depois de apanhar os miúdos e os deixar com a minha mãe, combinámos com um casal muito amigo, e fomos jantar fora e beber um copo. Começámos pelo(s) copo(s) bebemos no Royale Cafe enquanto púnhamos a conversa em dia e esperávamos pela nossa mesa, ali ao lado, no Boa Bao. Tínhamos duas horas de espera que passaram num ápice entre vinho, entradas e boa conversa. Já conhecia o Royale Cafe de há muitos anos, de quando trabalhava para uma produtora que também era no Chiado, mas o Boa Bao foi uma novidade, andava há meses para lá ir, e amei!!! Top, Top, Top!! Mesmo divino.