31 de agosto de 2013

O fim da minha licença de maternidade

A minha licença de maternidade já acabou e agora é a vez do meu marido (tentar) gozar a parte da licença dele de paternidade. E eu, apesar de trabalhar em casa nos próximos meses, tenho já prazos de entrega de guiões e a cabeça a começar a fervilhar de ideias para este novo projecto. Já disse ao meu marido que vou tirar leite (coisa que já aqui disse que detesto fazer) para ele dar ao Afonso. Claro que ele achava que eu ia trabalhar entre dar de mamar, mas já lhe expliquei que há alturas em que eu preciso de me concentrar mais do que duas horas seguidas. Gosto de trabalhar várias horas de seguida, sem interrupções nem quebras de raciocino. E preciso que o Afonso esteja entregue ao pai. Já sei que se o ouvir chorar vou logo ficar alerta a achar que o Afonso precisa de mim, mas vou ter de confiar no meu marido. Vai ser bom para eles. O meu marido tem trabalhado para além do razoável e tem estado pouco tempo com o Afonso. E nas férias estava mais com o mais velho, que também precisava muito dele e das macacadas na praia e nos carrinhos de choque à noite. Por isso, os dias que  o meu marido conseguir de licença vão ser bons para o pai e para o filho.

30 de agosto de 2013

Mudanças de casa e bebés

Já começo a estar habituada a mudanças com filhos às costas. Quando foi do mais velho tínhamos a casa em obras, tinha sido embargada, e andámos em várias casas com um recém nascido às costas. Com o Afonso tivemos de sair de casa quando ele tinha 4 ou 5 dias de vida porque a obra do prédio atrasou-se e não dava para estar em casa por causa do cheiro das tintas... E agora, a entrar em Setembro, a recomeçar a trabalhar, decidimos colocar a nossa casa numa imobiliária giríssima do FB. Pusemos a opção de venda e aluguer e, pois bem, parece que tenho até ao final do mês para encontrar uma casa para nós arrendarmos e mudarmos! Se por um lado me apetece imenso ir para uma casa com elevador e garagem por outro acho estranho imaginar pessoas nesta casa, nesta casa que foi desenhada e projectada para nós e para os nossos filhos... E pior, esta e a casa anterior onde vivemos foi recuperada por um dos meus cunhados que é arquitecto e tudo foi escolhido, pensado ao pormenor e agora... Não encontro nenhuma casa que goste dentro do que consigo pagar! Vale a pena dizer que esta noite não dormi nada? 

Regresso ao trabalho depois da maternidade

Hoje à tarde tenho uma reunião muito importante para organizar e definir o meu trabalho nos próximos meses. Sinto um nervosismo miúdo na barriga. Não só regresso ao trabalho após um ano de pausa como vou trabalhar com uma empresa e equipa nova. Ui, ui... Desejem-me sorte!

29 de agosto de 2013

Faz hoje um ano...

... Que descobri que estava grávida e que escrevi este post. Lembro-me tão bem. Até me lembro do que tinha vestido. Já suspeitava do atraso e como tinha um prescrição para fazer o teste Beta HCG fui directa ao Joaquim Chaves sem passar pelos testes de farmácia. Fiz o teste ao fim da tarde e à hora do jantar já tinha os resultados. Foi há um ano que soube que tinha mais uma vida a crescer dentro de mim. Foi há um ano que receei ter uma nova perda, depois de duas quase seguidas, mas graças a Deus tudo correu pelo melhor e temos o nosso Afonso connosco. Já com quatro meses, o cabelo mais cómico e espetado que existe e um sorriso sempre pronto e maravilhoso. É o meu bebé pequenino. O meu doce de mel. 

28 de agosto de 2013

Rituais de sono do bebé parte 2

Lembram-se deste post? É só para dizer que a fase do choro para dormir durou dois ou três dias depois deste post ter sido escrito. Deve ter sido da mudança de ares e de rotinas ou uma fase qualquer no desenvolvimento do meu pequenino. Desde essa altura que o Afonso toma banho ao final da tarde, mama e depois adormece. Já não vai à sala e já não há confusão depois do banho. É um momento nosso, só nosso. Depois de mamar, deito-o, dou-lhe um beijinho e saio. Geralmente ainda me chama uma ou duas vezes para lhe pôr a chucha, às vezes precisa se um mini colinho ou de mais um leitinho, mas sem dramas nem aqueles choros aflitivos que aqui mencionei. Foi uma fase curtinha e ainda bem. Obrigada, filho. Dorme e sonha com os anjos.

Mãe a tempo inteiro ou como quem diz mãe papa quilómetros

Depois das 5 semanas no Algarve que entre marido, mãe e cunhadas e primas me iam dando uma mão esperavam-me 2 semanas em Lisboa com os dois em casa. E precisava mesmo de arranjar formas e programas para distrair o mais velho. Mas programas bem pensados porque o baby Afonso também anda sempre connosco e às vezes tem de mamar e eu preciso de poder dar liberdade de movimentos ao A mais velho. Hoje fomos a Sesimbra ter com uma amiga minha que tem dois filhos, sendo que o mais velho dela tem a idade do meu mais velho e os dois são super amigos. Apesar deles não estarem nos seus melhores dias (implicaram um com o outro, bateram-se, discutiram, ficaram de castigos e afins) foi giro. Amanhã rumamos até Évora para passarmos um dia num verdadeiro monte Alentejano e cantarmos os parabéns a uma tia minha. Depois vamos até Castanheira de Pêra passar o fim de semana para irmos ao Portugal dos Pequeninos. Pelo meio fui até à Expo ao Oceanário, fomos aos Olivais à Quinta Pedagógica, fomos ao Mini Golf de Miraflores e a alguns parques infantis... Tem sido sempre a abrir! E até me tenho safado bem com os dois! O Afonso anda muito no marsúpio, o que me permite ter as mãos livres. Ajuda muito! E o facto dele ser um bebé super tranquilo faz toda a diferença. Mas hoje quando chegámos de Sesimbra dormiam os dois... E eu a olhar e sem ter coragem de acordar o mais velho para subir as escadas. Mas ele lá acordou... E subiu as escadas, meio zonzo de sono, que um dia de piscina cansa muito. 

Dormir toda a noite...

... Já ao sei o que isso é há 4 meses e uns dias. E apesar de andar cansada - há bocado a ler os 101 Dálmatas ao mais velho já trocava as personagens todas - por dar de mamar à meia noite e por volta das 5 da manhã, desta vez não estou a sofrer como da primeira vez em que o mais velho acordava para mamar e depois era um 31 para ele dormir. Pensando bem e olhando para trás a culpa era mais nossa que dele porque ele mamava e depois TINHA de arrotar e lá o abanávamos até ele arrotar. Depois mudava-se a fralda, como ensinaram. Depois já ele estava mais que acordado e não queria dormir. Além disso, tinha cólicas, o pequenino... O Afonso palra a meio da noite, ponho-o a mamar sem abrir a luz, ele mama em poucos minutos, cai redondo de satisfação, ponho-o no berço e dorme ele e durmo eu. É a descontração do segundo filho. Não tem nada a ver. No outro dia comentava com o meu compadre que o Afonso não precisava de arrotar quando mamava a meio da noite. Nunca o fazia. E ele respondeu que o A mais velho se calhar também não precisava, mas como era suposto os bebés arrotarem, nós não o deixávamos em paz enquanto ele não arrotasse. E acho que ele tinha razão... 

27 de agosto de 2013

Toalhas de banho avental

O malabarismo da toalha para tirar o meu pequenino do banho são muitas. No Algarve, nas férias, prendia uma toalha com um nó à volta do pescoço, mas as minha toalhas cá de casa são muito grandes e não dão para isso. Entretanto, descobri que há umas toalhas avental que são muito práticas para quem dá banho sozinho às crianças. Sabem quais são as melhores? Vocês usam? Alguma habilidosa por aí que faça estas toalhas? Obrigada.

Dia de ronha

Abateu-se sobre mim um cansaço tal que tive de pedir ajuda ao meu marido à uma da manhã quando estava a dar de mamar ao Afonso. Não conseguia temos olhos abertos e estava com imenso medo de adormecer e magoar o Afonso. Nem a sesta prolongada de Sábado me ajudou a recuperar dos últimos meses. Por isso, hoje não fui ao parque nem a lado nenhum. Decretei dia de cinema em vasa e enrosquei-me com o mais velho mó sofá. Ele viu o Gru Maldisposto 1 e eu dormi até o Afonso chamar por mim para mamar. Depois da sesta da manhã já me sinto mais activa. Dormem os dois e eu vou aproveitar para ler umas coisas que preciso para preparar o meu trabalho... Não sei como vou ter forças para começar a trabalhar para a semana. Bem sei que vou escrever a partir de casa, mas ainda não estou nada em modo trabalho... 

26 de agosto de 2013

Quero dois manos, mãe!

O meu filho mais velho hoje disse que queria mais um mano. Eu aproveitei a dica e disse que até podia ser uma mana. E ele disse: um mano e uma mana. Podes ter dois bebés na barriga, não podes? Eu disse que sim, que é possível ter gémeos. E ele responde, é isso mesmo! Não digas é nada ao pai! Lá lhe expliquei que só pensamos noutro mano quando o Afonso andar, mas ele disse que não: é quando ele for para o meu quarto para os bebés manos ficarem no teu quarto! E assim conformo as minhas suspeitas: o meu mais velho adora o mano e não se sentiu, pelo menos até agora, ameaçado pela chegada de um mano.

Hoje fomos os 3 ao Oceanário

E foi muito bom... O Afonso abria muitos olhos a olhar para o tanque central. Esteve sempre acordado e muito atento. O mais velho estava doido com os tubarões e só teve pena de não ver baleias.


A minha foto com o Afonso não foi cortada por mim... Foi tirada assim pelo meu mais velho... Linda, não está?

25 de agosto de 2013

Devia começar uma dieta, não?

Hoje o meu mais velho abraçou-se a mim, levantou-me a túnica e começou aos beijos na minha barriga: olá, bebé! Sou o teu mano! Eu tentava afastá-lo, dizia que não havia mano nenhum e que a barriga estava ainda um bocadinho grande por causa do mano, mas ele insistia que estava ali um bebé. Não está. Estão é uns quilos a mais. 

Saudades

Mal falei de manhã com o meu mais velho fiquei logo cheia de vontade de correr para a minha mãe para o ir buscar. Já tinha dormido, trabalhado e descansado e faltava-me uma peça. Fomos buscá-lo antes de almoço e levámo-lo ao McDonald's, como ele pediu. Estávamos cheios de saudades e adormecemos abraçados à sesta. Mas foi bom poder deixá-lo 24h com a minha mãe e saber que ele adorou e esteve sempre bem disposto e a brincar. Mas sou mesmo mãe galinha e coruja que quer ter sempre a criançada por perto. 

24 de agosto de 2013

O bebé e a televisão

aqui tinha partilhado que o Afonso apenas com dois meses já gostava de ficar a olhar para a televisão. Pois bem. Está muito pior e, sempre que alguém se distrai, lá fica ele especado! No outro dia até se ia sentando tal era a vontade de ver televisão. Vira-se, rebola-se e entorta os olhos para conseguir ver qualquer coisa. E nós sempre a contrariar... Até o mano já diz: não podes ver televisão que ainda és bebé!!   

O drama dos incêndios

Portugal está a arder. Já houve mortes, feridos e muita área de mata ardida e até habitações. É quase sempre fogo posto por gente má, muito má e perturbada ou como explicar o fogo que está agora a devorar a zona da Covilhã começou às 5 da manhã numa altura que até estava fresca a noite? Mas ouvi também um senhor que penso que era responsável pelos bombeiros dizer que o problema está nas matas e nas florestas e "nas questões das heranças" e eu revi-me tanto nas palavras dele. Herdei do meu pai vários bocados de matas e de pinhais exactamente para os lados da Serra da Estrela. Tenho a certidões e pago os Imi's respectivos, mas eu nem sei onde ficam aqueles talhões de terreno... Um bocado ali, no meio de um pinhal imenso, outro bocado não sei onde... O meu pai, que também herdou tudo aquilo, mas que há muitos anos conciliava a vida de Lisboa com a vida na Serra sabia daquilo tudo, reflorestou, mandava limpar, tirar a lenha... Eu, a minha mãe e a minha irmã percebemos tanto de pinheiros como de linguística marciana e vivemos a 300km e vamos à quinta que também herdámos um vez por ano... E sei lá eu dos pinhais? Falei com um amigo do meu pai lá da povoação a dizer que se alguém quisesse comprar terrenos e pinhais... Ninguém quer comprar pinhais nem matas. E eles nem são todos na mesma aldeia... Eu sei em que freguesias são por causa das certidões, mas mais do que isso não... Um bocadinho aqui, outro sabe Deus onde... Claro que eu podia ter ido com o meu pai ver as matas e pinhais, acho que até ia com ele em miúda fazer esses passeios, mas depois fiquei adolescente e nem queria pensar em ir à Serra, depois casei e já gostava de lá ir... Depois fui mãe e tinha a intenção de começar a ir mais até lá, mas sem pré aviso e sem conseguir preparar nada nem organizar a vida depois dele, o meu pai morreu com um ataque de coração... E sei lá eu onde ficam as matas... 

Novo livro do Miguel Sousa Tavares

Os meus amores ofereceram-me este livro e vou aproveitar este fim de semana para o ler...

O meu "futelista*"

Ontem fui inscrever o mais velho nas escolinhas de futebol do Benfica e saiu logo de lá com o equipamento vestido: "é para toda a gente saber que eu sou um futelista do Benfica, mãe". E lá ia ele, todo orgulhoso e de peito inchado. Ele e eu, mãe sportinguista, feliz com a felicidade do meu filho. E se vissem como ele jantou bem: os futelistas têm de comer bem!! Será que o meu desejo que ele coma bem se vai concretizar graças ao Benfica? 


*= o meu filho fala tudo correctamente deste muito pequeno. Há 3 palavras que diz mal. Uma delas é futelista (futebolista) a outra é molho shup (ketchup) e panpeca (panqueca). E eu corrijo sempre, claro, mas acho uma ternura. Então o futelista... A puxar as meias para cima do joelho como os futelistas fazem! 

Mãe galinha parte 2

A propósito deste post quero partilhar que o meu mais velho foi um campeão: "Eu não quero ficar na avó, mas é só um dia, não é? Está bem!". E lá ficou hoje de manhã, depois de muitos beijos, abraços e algumas lagrimitas. A minha mãe já mandou uma mensagem a dizer que ele está óptimo e a brincar bem. Eu sei que ele fica bem. Ele adora a minha mãe e estar com ela, só não gosta de dormir fora de casa. A mim é que me falta uma peça. O meu mais velho é mesmo a alegria da nossa família, mas este dia e meio vai ser muito bom para eu dormir, trabalhar e dar ao Afonso a oportunidade de ser filho único por umas horas. Bom fim de semana.

23 de agosto de 2013

Vale mesmo a pena pensar nisto


«O facto de estarmos excessivamente ocupados com as tarefas do quotidiano,
com a roupa para lavar, com a casa para limpar, com a comida para fazer,
com todos os deveres que temos... faz-nos por vezes esquecer a que ponto viver com os nossos filhos nos torna felizes.
Todos os pais o dizem, a infância passa depressa, demasiado depressa.
Não falhemos o nosso encontro com ela!

Será sempre possível arranjar a casa mais tarde, quando eles tiverem partido
e as nossas quatro paredes parecerem bem vazias, sem gritos e risos...»

- Isabelle Filliozat em "No coração das emoções das crianças"

Encontrei este pensamento no blog da Mum. Aqui.



Confissões de uma mãe galinha

O meu marido vai estar amanhã num torneio de padel o dia todo fora de Lisboa. Eu sugeri que eu ia também, hospedando-me num hotel com piscina. Levava o Afonso, que ainda mama e que ainda é muito pequeno para estar longe de mim mais do que umas horinhas, e aproveitava para ler e começar a trabalhar. Podia ainda descansar e dar uns mergulhos na piscina do hotel. E à noite, depois do torneio, sem horas marcadas nem stresses podia ir jantar com o meu marido com o Afonso dormindo tranquilamente no carrinho. A ideia pareceu-me maravilhosa. Tratei de tudo. Pedi à minha para ficar com o mais velho, mas esta madrugada, enquanto dava de mamar ao pequenino comecei a imaginar a alegria que o meu campeão iria sentir num hotel com piscina e começaram os remorsos... Se calhar devia ir também, coitadinho... Mas se ele vai eu vou ter um dia alucinante em vez um dia calmo para trabalhar, tenho de pensar em comidas para ele e tenho estado nisto... mas.... E, mas.... E... E claro que se agora for dizer à minha mãe que afinal ele vai comigo ela vai ficar arrasada porque já planeou o fim de semana todo para passear e fazer programas com o neto.

4 meses de Afonso!!!

E o melhor sorriso do mundo dele é para mim. Aquele sorriso bem rasgado, gengiva à mostra e olhos a brilhar!! Obrigada por mais esta benção de filho.

22 de agosto de 2013

Os últimos saldos em Campo de Ourique

Pedi à minha mãe para vir connosco e a manhã foi passada em Campo de Ourique. Precisava de ir à Maria Gorda trocar um fato de banho que tinham oferecido ao mais velho e aproveitei para ver roupas para o baptizado do Afonso. Já estava tudo muito escolhido, mas em compensação os preços estavam maravilhosos. Aproveitei ainda e comprei as batas da creche para o mais velho. O pai juntou-se a nós para almoçar. Os Hamburgueres do Jardim da Parada deixaram-me um bocadinho a desejar, mas o sitio é agradável e eu adoro Campo de Ourique, onde eu e o Maridão tivemos a primeira casa. Umas águas furtadas lindas num quinto andar sem elevador!! Parece que foi há uma eternidade. A vida da altura, sem filhos, é tão diferente da de hoje em dia... Mas não troco a de hoje em dia por nada... apesar de estar mesmo a precisar de namorar um bocadinho com o Maridão se, crianças por perto...

Pijama Maria Gorda
Fofo Maria Gorda
Calças de linho e camisa sem gola AntiMilk


21 de agosto de 2013

Uma ideia de negócio

E que tal inventarem um cabeleireiro e spa com um parque infantil como o que tem o Ikea?? Não era maravilhoso, mães! O período para ficarem com as crias é que tinha de ser alargado que uma hora para mãos, pés, depilação e massagem não dá!! Acho que era um ideia fabulosa!! Eu ia lá já amanhã passar a tarde, que estou mesmo a precisar! Para o caso de existir e me ter passado ao lado, avisem por favor!! Boa noite. Vou aproveitar que todos dormem e vou fazer o mesmo... 

As chamadas férias grandes!!

Por aqui o mais velho está a meio da sexta semana de férias. Seis semanas de ausência de rotinas. Seis semanas com muito pouca sopa. Seis semanas a deitar tarde e a levantar cedo. Seis semanas de muito mimo e com mãe a tempo inteiro. Seis semanas com chucha para dormir. Seis semanas de regabofe. Muita praia, amigos, primos, tios e festa. Os últimos dias, já regressados a casa, já estão bem mais calmos e estou a tentar, aos poucos, voltar com ele à rotina de todos os dias. Ele já fala dos amigos da creche e eu acho que já lhe vai fazer bem regressar. E vai mais crescido. Em tamanho e em maturidade. E já come lindamente de garfo e faca, já toma duche completamente sozinho e já gosta de tomate!! 

Em modo maternidade

Em Setembro vou começar a trabalhar num projecto novo. Graças a Deus vou trabalhar e escrever a partir de casa, pelo menos uns meses, o que me vai permitir continuar a dar de mamar em exclusivo mais tempo e fazer a adaptação à creche, à papa e sopas com calma e sem ansiedades... Mas há aqui um problema: estou completamente em modo maternidade! Tenho guiões e textos para ir lendo e não me apetece. E apetece-me voltar a trabalhar, a escrever... Mas estou completamente focada na maternidade e nas necessidades dos meus filhos. E quando me ponho a ler adormeço porque há 4 meses que raramente durmo mais de 4 horas seguidas, ou tenho de ir dar atenção ao mais velho, ou já é hora de mamar... e um texto que leria numa hora levo quase um dia inteiro. Há quase um ano, altura em que fiquei de baixa por gravidez de alto risco, que sou mãe a tempo inteiro e não vai ser fácil recomeçar... Ligar aqui alguns circuitos que estão dormentes ao mesmo tempo que aproveito os meus filhos ao máximo e me impressiono com as capacidades e evolução do mais velho e com as pequenas grandes conquistas do mais novo!! Ser mãe também é isto. Além da melhor coisa do mundo, claro!!!

20 de agosto de 2013

Remorsos de mãe

Olho para o meu pequenino e penso que nesta altura o mais velho já ficava os dias inteiros na minha mãe para eu ir trabalhar. Tive de começar a trabalhar ao fim de 3 meses e pouco e hoje nem sei como consegui. Claro que consegui. Tinha de trabalhar e na empresa ( que mais tarde me deu um pontapé no rabo porque a minha gravidez de risco não deu jeito) precisavam de mim. Mas agora olho para esta coisa boa e pequenina e penso que não o quero largar. Quero aproveitar melhor esta fase. Passa tão depressa. Em pouco tempo estão a chamar-nos azelhas se não estacionamos bem o carro à primeira ( juro que já me aconteceu!!!).

Mãe de dois...

Ser mãe de dois exige muito, mas muito de nós. Então nestes primeiros meses, em que ainda nos estamos a ambientar, em que o mais velho ainda acha que assim que chama mãe esta está logo disponível e em que a creche está fechada e as férias do pai já terminaram são um desafio...

  • Tenho de fazer programas com o mais velho, mas é preciso escolher bem os locais porque eu posso ter de dar de mamar. E o problema não é a maminha de fora, que a mim isso nunca incomodou, é estar num sitio onde o meu índio não possa fugir, onde não se perca, onde não se afaste muito... Onde ele esteja à vontade sem eu ter de estar sempre a dizer, anda cá, não vás para aí... Estão a ver o parque do Alvito? É o género de sitio proibido se quero voltar para casa com os dois.
  • Tenho de ir à depilação e tratar das unhas. E vou com os dois? Ou levo o iPad para manter o mais velho quieto duas horas ou passado 5 minutos já ele desmontou o cabeleireiro... E depois calha na hora de dar de mamar. E não dá jeito dar de mamar com as unhas pintadas de fresco. Já tentei e não correu bem... Eu sei que tratar das unhas é fútil, mas uma mãe merece andar com as unhas bem arranjadas e é um dos meus mimos.
  • Ir ao supermercado. O mais pequeno no carrinho como fiz hoje é asneira, mas ele estava a dormir e não o quis pôr no marsúpio. Ao levar o mais novo no carrinho, o mais velho fez birra porque queria levar um carrinho de supermercado e eu já não tinha mãos... Como ia só comprar meia dúzia de coisas - que carreguei três andares mais os dois filhos- ia colocar em sacos de plástico presos na argola do carrinho que era mais fácil... O difícil foi convencer o mais velho desta solução...
  • Hora da sesta do mais velho birra de choro no carro... Hora de mamar do mais novo, choro no carro....

Estes são apenas alguns exemplos de ontem e de hoje. É que nós continuamos a ser só uma, mas eles são dois e precisam muito de nós.

A minha sogra tem 7 irmãos e teve 8 filhos. O meu sogro tinha 8 irmãos. Quase todos os irmãos dos meus sogros tiveram 5, 6, 7 ou 8 filhos... A semana passada lá na praia, a falar com uma tia do meu marido que tem 6 filhos, dizia-me ela: é importante não complicar. Não dá para ser muito picuinhas. Os tempos eram outros e mais fáceis para ter tantos filhos, mas é mesmo importante não complicar... A ver se mantemos a tradição familiar e ainda vamos ao terceiro filho. Para mim, a única coisa mesmo necessária para ter muitos filhos é paciência e disponibilidade. (Estou a falar de casos em que as pessoas não sendo ricas, têm trabalho e uma situação que permite dizer que onde comem 2 comem 3). 

Devo andar a repetir-me

Cá em casa gostamos muito daquele pão brioche. O meu filho mais velho sempre lhe chamou pão molinho. Hoje, depois de chegarmos do supermercado.
Mãe: queres uma sanduíche de pão molinho?
Filho de 3 anos: é pão brioche, mãe. Eu já sei dizer?
Mãe: quem é que te ensinou?
Filho: tu dizes tantas vezes pão brioche, pão brioche...

Devo estar mesmo a ficar repetitiva. É a terceira vez esta semana que ele me diz que eu me ando a repetir...

O meu filho e a amamentação

O Afonso mama muito bem e está a desenvolver-se lindamente só com o meu leite, mas de há uns tempos para cá, há já mais de um mês,  que embirra com a minha maminha esquerda. Já me disseram que é normal os bebés preferirem sempre um dos lados, mas eu nunca tinha ouvido tal coisa e vou ligar para a SOS Amamentação para esclarecer isto. Claro que eu arranjo estratagemas para que ele também mame da esquerda. Ao inicio pensava que podia estar entupida ou assim e fiz o teste com a bomba de tirar leite e a maminha produz leite. Não sei porque é que lhe deu para isto...  

As nanny's

A propósito deste post lembrei-me de uma cena do filme do Sexo e a Cidade, que vi na televisão quando estava de férias. A Charlotte deixou as filhas com o marido e com a Nanny. E perante a hipotética possibilidade de uma infidelidade a primeira coisa que ela pensa é: não! Não posso perder a nanny!! Tenho amigas e cunhadas que nunca vão de férias sem as nanny's para ajudar com as crianças. Eu sempre achei que era pela idade mais quarentona e por terem menos pedalada e paciência do que eu que ainda estou nos 35, mas este ano, com os dois pequenos, alguns dias sozinha, repensei a minha teoria. E até estou a considerar fazer um pé de meia Nanny para o próximo verão. É que a pessoa não ter um bocadinho de descanso, não poder estar tranquilamente numa esplanada, não poder dormitar na praia com o sol a queimar as costas, não estar uns minutos sem ouvir mil vezes a palavra mãe só fim de algumas semanas começa a cansar. E eu sou muito mãe dos meus filhos, adoro-os e ainda quero ter mais um. Mas nas férias e estando eu de licença de maternidade eles ocupam as 24 horas do meu dia. E no meio destas solicitações todas perdemo-nos e perde-se o casal que tem dificuldade em arranjar tempo para namorar. Até tive bastante apoio de família nas férias, mas sentia que para eu estar descansada 10 minutos estava a sobrecarregar uma cunhada, uma prima ou um sobrinho mais velho. Todos adoram os meus filhos e dizem que adoram ficar com eles, mas eu sei bem que é cansativo e que as pessoas precisam de descansar... Não sei. Ideias que me passam pela cabeça. Tenho é de ter cuidado com a escolha da Nanny... Muitas tomaram conta das crianças e não só!! 

Mimo da mãe

O meu pequenino já me faz festinha na cara e adora explorar o meu rosto com as mãos enquanto me sorri e palra!! Que maravilha!!! E aquelas gargalhadas... Tão bom!

18 de agosto de 2013

As primeiras vezes dos nossos bebés

É uma maravilha assistir às descobertas e novas conquistas de um bebé. Ontem começaram as gargalhadas - tão bom!! - e hoje o Afonso começou também a brincar e a conseguir agarrar os objectos e a brincar com eles. Foi impressionante! Até com um livro de bebé esteve entretido. Ao palrar que tanto gostamos juntaram-se as brincadeiras com os brinquedos que lhe coloquei em cima do berço, na espreguiçadeira e na cadeira/ovo Stokke. Fica numa excitação e numa felicidade até à exaustão. É impressionante o que ele cresceu e se desenvolveu nestas últimas semanas. Quando fui para o Algarve a 13 de Julho levava um recém nascido que regressou um bebé, já super desperto e curioso para tudo o que o rodeia. Que fase fascinante! 

Rituais de sono do bebé

O Afonso começou por ser aquele bebé de sonho que comia, sorria e dormia. Um doce. Uma tranquilidade. Na altura de dormir deitava-o na cama e ali ficava ele, acordado, até adormecer. Há duas semanas, a meio das férias, começou a chorar quando ia dormir. Pensei que tinha fome, até publiquei um post sobre isso, e comecei a tirar leite depois dele mamar para lhe dar. Não era fome. Comecei a embalá-lo e ele começou a adormecer ao meu colo. E agora, temos um problema. O pequeno grande Afonso só quer adormecer ao colo. Agora que estamos de regresso a casa está na hora de restabelecer as nossas rotinas. Os bebés têm de conseguir adormecer sozinhos. Todos nós temos padrões de sono que nos fazem quase despertar de 4 em 4 horas e se o bebé  estiver habituado ao nosso colo para dormir não cria hábitos de conforto que o ajudem a adormecer sozinho. O Brazelton explica isto muito bem. Por isso, por aqui, estamos a tentar que o Afonso adormeça sozinho. Ele grita, agarra os cabelos, fica rígido e deixa qualquer um num estado de nervos. Só dá vontade de pegar ao colo para o acalmar. E é o que faço, mas deitando-o de seguida para que ele adormeça sozinho... É fundamental que eles aprendam a dormir sozinhos. Conseguimos com o mais velho também havemos de conseguir com o segundo filho. 

Nova etapa nas férias

E depois do bem bom algarvio aqui estamos nós, de regresso a casa, com o filho mais velho ainda de férias. São 3 semanas em que, sozinha, vou ter de divertir e arranjar programas para o meu filho de 3 anos e meio sempre com o Baby Afonso no marsúpio. (Nesta fase dá-me mais jeito o marsúpio do que o sling e ele adora). Vou fazer uma lista com as coisas que o mas velho quer fazer. Já me disse que quer ir ao Mini Golf e jogar à bola. Eu quero levá-lo à Kidzania pela primeira vez, levá-lo de novo ao Pavilhão do Conhecimento e ao Oceanário. E gostava muito que me dessem sugestões. Obrigada.

U preguinho foi armado ao pingarelho, mas a noite foi muito gira!!

Depois de 5 semanas de havaianas, vestidos de praia e afins apetecia-me um banho de cidade.
Eu: estou com saudades do Chiado, marido.
Filho mais velho: o Chiado é um amigo teu?
Eu lá lhe expliquei que o Chiado é um sítio de Lisboa que eu adoro. E convenci o meu marido a irmos até lá com as crianças. Jantávamos um prego no U Chiado e íamos assistir ao espectáculo de luz e som no Terreiro do Paço. E assim foi. Mas o prego, muito apregoado pela Pipoca, foi uma enorme desilusão. U prego, a sopa, o risotto. Não gostámos nada do restaurante, super presunçoso e a armar ao pingarelho. ( Estão a ver um chefe de mesa com uma enorme esplanada vazia que recebe os clientes a perguntar se têm marcação e quando dizemos que não faz um ar pensativo e consulta uma lista com ar importante?) Com alguma fome, mas divertidos porque achávamos que o jantar ainda ia correr pior quando o Afonso mostrou ter fome e o Alexandre ficou com bicho carpinteiro, fomos à haagen dazs e depois seguimos para o Terreiro do Paço. Eu e o Maridão gostámos do espectáculo, mas era muito barulhento e o mais velho refilou, um pouco amedrontado. Seguimos pelo passeio das Naus em direcção ao Cais do Sodré e gostámos muito de ver aquela zona reabilitada. Entanto o pai foi buscar o carro ao Chiado antecipei a história da noite, ali, debaixo de uma lua muito bonita a iluminar o Tejo e contei a história de uma baleia que se tinha perdido e que foi ali parar, mas que com a ajuda de um menino, do seu pai, de um mapa e de um barco conseguiu regressar o oceano... Onde com a família viveu feliz para sempre.

17 de agosto de 2013

O que eu me ri

Pai e filho mais velho tomavam banho quando eu cheguei à casa de banho para os despachar e ir eu tomar banho. Lá saíram sempre numa festa, que o piolho ainda não matou as saudades todas do pai. Fui ao necessaire buscar a minha gillete e o meu filho olha para mim, muito intrigado: vais fazer a barba, mãe? Risota. Lá lhe expliquei que não, que as meninas não têm barba... Ao que ele respondeu logo: mas eu vou ter!! 

A primeira gargalhada do Afonso

Hoje o Afonso deu a primeira gargalhada e o sortudo foi o pai. O pai estava delicado com as gargalhadas dele quando eu cheguei e disse que aquelas eram as primeiras gargalhadas de sempre do Afonso. O pequenino não consegue dizer ao pai que estava cheio de saudades, mas guardou para ele aquela demonstração de alegria. É bom estarmos de novo os quatro juntos, em família. 

16 de agosto de 2013

Depois de 5 semanas de férias...

... Voltámos a casa. Já expliquei ao mais velho que continuamos de férias, mas ele diz que estar em casa não são férias. E depois de tanta liberdade, tanta noitada, tantos matraquilhos, brincadeiras na praia e ausência de (muitas) das nossas regras vai ser difícil regressar às rotinas. Vamos aos poucos. A mim também me perguntavam ontem se eu não estava farta de estar em Monte Gordo. E eu dizia que não. Claro que não! Praia à porta de casa, a um minuto a pé, cunhadas e cunhados, primas e primos, tios e tias e sobrinhos para conversar e para ir dando uma olhadela pelos meus filhos. Claro que não venho completamente descansada, que isto de ter dois filhos tão pequenos dá muito trabalho, mas correu tudo muito bem... Birras e zangas à parte. E o resultado é mais do que positivo. Estão os dois maiores e mais crescidos. E o mais velho ainda vem mais apaixonado pelo mais novo. Foram 24 sobre 24 horas sempre juntos. Dormiram sestas juntos e ouviram as minhas histórias. E era, com muito orgulho, que apresentava o mano a toda a gente.

A chegar a casa...

... Depois da viagem de regresso de férias. Parámos num semáforo junto do Outdoor do anúncio do filme dos Aviões.
Filho mais velho: mãe, podemos ir hoje ao cinema ver os Aviões?
Mãe: não, filho. Acabámos de chegar de viagem. Estamos cansados.
Filho: não estamos, não. Viemos de carro.

Lá lhe expliquei que a mãe teve de vir com muita atenção e cuidado a conduzir e que isso cansava muito. Ao que ele responde:

Filho: ah, pois... E isso é muito duro.

12 de agosto de 2013

A cama dos pais

Adormeço sozinha esparramada na cama. Às 4 e meia dou de mamar ao Afonso, sentada, mas às escuras e ele volta para a cama dele. Ás 7 e meia acordo, ponho o Afonso na cama para dar de mamar, e já lá tenho o mais velho, atravessado a domir. A esta hora dou de mamar deitada. Coloco-o com cuidado, protegido com uma almofada, sabendo que vamos adormecer os dois. E assim é... Dormimos os três (já deixei de ir à praia de manhã com o Afonso e temos aproveitado para dormir as manhãs). Acordamos lá para as 9 e meia com o pequeno a palrar... O mais velho acorda e abraça logo o mano. E eu gosto de os ter ali... Só falta o Maridão. 

Momentos de folga de mãe

Hoje na praia, ao final da tarde, adormeci ao sol como antigamente... E soube tão bem! Tinha deixado o meu pequenino com a minha cunhada e o mais velho estava na brincadeira e entregue aos primos adolescentes. Pude descansar e fechar os olho. Relaxei e dormi. Acordei com o meu piolho a vir do mar. Foi tão bom. E agora, depois de um jantar que terminou cedo e sem brigas, lá foi com os primos adolescentes jogar matraquilhos e andar nos carrinhos de choque. Mais um dia com cheiro a férias. 

Sabor a férias

Apesar de estar há 5 semanas no Algarve não tenho sentido o sabor a férias. E de facto, mesmo a banhos, licença de maternidade não é férias. As idas à praia, a cor da pele e as férias da restante família podem dar a ideia de que estamos de férias, mas o cansaço das noites a dar de mamar, as rotinas com dois filhos pequenos e um deles recém nascido não nos fazem sentir aquele sabor a férias. Mas ontem e hoje foi diferente e apesar do cansaço que sinto sempre que o dia acaba senti-me de férias. O tempo fantástico e a água do mar quase nos 30 graus ajudaram... E agora tenho de ir. O sardanico quer mamar... Até amanhã. 

9 de agosto de 2013

Saudades do Maridão

Deveria juntar-se a nós amanhã para passar o fim de semana, mas hoje foi fazer uma micro cirurgia à boca para recuperar um dente incluso e está com a cara feita num oito, com algumas dores, inchaço e sem vontade de se fazer à estrada. Percebo e gostava de estar com ele para o mimar, mas por aqui (e por lá) as saudades apertam. O nosso filho mais velho chora sempre que fala ao telefone com o pai, também cheio de saudades. E diz que com o pai " é mais divertido". Claro que é. O meu marido sempre foi o tio preferido e agora é o pai preferido e o eleito para todas as brincadeiras. O meu marido adora saltar, correr, jogar, dar mergulhos e fazer tudo com os miúdos. E como o faz genuinamente feliz. Sem fretes nem favores. Os miúdos percebem isso e ainda se divertem mais. Mas ele não se pode queixar porque ene tios, primos e amigos que ele fez a animação começa cedo e acaba perto da meia noite. 

Seria fome?

Comentei aqui que nos últimos dias o Afonso andava chorão para dormir e que só queria colo. Atribuí as culpas ao sling, mas hoje, depois de dar de mamar antes da hora de jantar e ao vê-lo irrequieto e chorão, que ele nunca foi, resolvi tirar leite da maminha que ele rejeita quase sempre (os vossos filhos também têm uma maminha preferencial? É que o meu é uma implicância com a minha maminha esquerda!) e da outra. Não tirei muito. Apenas 50, mas dei-lhe no biberão, ele sorriu feliz, bebeu tudo e adormeceu logo na cama dele. E eu, muito aflita e com o coração apertado, a pensar que o meu filho anda com fome há não sei quantos dias. É por isso que está mais chato para dormir depois de mamar e é por isso que faz intervalos mais pequenos. Deve estar num surto de crescimento ou assim. Vamos ver como corre a noite depois do meu próprio suplemento. Amanhã repito. Mas que é uma seca ter de tirar leite depois de dar de mamar, é. Mas enquanto podermos manter o leite materno é isso que vamos fazer. E amanhã vou dar uma volta pelas concessões vizinhas da praia para ver se encontro o pediatra dos meus filhos. Que além de ser espectacular ainda passa férias no mesmo sitio que nós!

8 de agosto de 2013

Amor de manos!

Mãe (para o mais velho): hoje vamos só os dois à praia! Boa?
Filho: não. O mano também tem que ir!
Pensava que o meu pirata mais velho ia ficar feliz sempre que tivéssemos um programa só nosso, mas  ele quer que o mano ande sempre connosco! Continua apaixonado pelo nosso mano bebé e todos os dias lhe faz belas declarações de amor. Lá fomos os 3 + 1 sobrinho. Entretanto, eu vim mais cedo para casa para evitar o calor com o Afonso, e o piolho crescido ficou com uns tios e os primos. E deve estar mesmo a chegar para almoçar. Depois, sesta. E eu vou tentar dormir também que ando muito cansada, que o Afonso resolveu voltar a mamar 2 vezes por noite. 

5 de agosto de 2013

Nós por cá...

... Continuamos a banhos. Só o querido Maridão já regressou a Lisboa, mas esperamos por ele no fim de semana. O pai teve de ir embora, mas eu não fiquei sozinha e tenho imenso apoio quer em casa, com a minha super cunhada mais velha, quer na praia, onde é mais difícil ser mãe dos dois A., Felizmente não estou sozinha na praia ( na minha palhota e palhotas à volta é tudo primos do meu marido com as respectivas famílias) porque senão era complicado estar sozinha com os dois. O Afonso tem umas horas muito limitadas e, acima de tudo, tem de ficar no balancé à sombra. O mais velho quer é banhos, mergulhos e brincadeiras e é bom poder contar com os primos para estarem mais com ele. Gostava de ser um polvo ou, melhor ainda, a mãe elástica dos Incríveis. Dava imenso jeito, um braço no mar a tomar banho com o mais velho e o outro braço debaixo da palhota, à sombra, a embalar o Afonso. Como não sou nenhuma personagem de BD de super heróis. Resta-me a enorme sorte de ter uma rede de apoio fantástica. Mas, mesmo assim, mãe sou só eu e chego à noite de língua de fora.

3 de agosto de 2013

É oficial. O sling é que é bom para dormir!

Tem estado difícil adormecer o Afonso na cama. Estava tão bem educadinho. Deitava-o, ainda acordado, e ele lá ficava até adormecer. Foi assim que fizemos com o irmão e estava a correr lindamente com o Afonso. Mas acho que o execsso de sling o habituou a adormecer embalado... Ontem ao fim da tarde depois de 2 horas de choro para dormir meti-o no sling e foram dois minutos. Há bocado também não queria dormir. Coloquei-o no sling e fui à rua. Precisava de ir aos correios e lá fui eu... Esqueci-me é que era Sábado e, por isso, bati com o nariz na porta. Mas o Afonso adormeceu... Sempre temtei ensinar os meus filhos a adormecerem sozinhos. A criarem padrões de sono que os ajude a adormecer sozinhos. E até agora estava a correr lindamente... E agora vem o dilema? Usar o sling como ajuda para ele adormecer (na sesta da manhã e à hora de jantar) ou deixo-o a chorar e fico com ele a ajudá-lo a adormecer na cama? Como estamos de férias e fora das nossas rotinas acho que vou manter o sling, até porque preciso (e agora sem o marido cá ainda mais) imenso de ter as mãos livres, e depois quando regressarmos a Lisboa ele passa a andar só na posição canguru e tiro-lhe a manha de adormecer assim... Vamos ver como corre. E o Afonso que era um doce de bebé que comia, dormia, sorria e, mais recentemente palrava, mostra que também tem manhas e sabe chorar! Alguém por aí que tenha usado o sling teve esta situação?

2 de agosto de 2013

O tempo voa...

... E amanhã terminam as férias. Faz amanhã 3 semanas que viemos para baixo, em família, para as primeiras férias a quatro. Não foram fáceis os dias. Férias no pós parto com um bebé tão pequeno e outro de 3 anos não são fáceis. As hormonas e o cansaço ainda andam por aqui. Com o passar dos dias as coisas melhoraram, relaxei um pouco e comecei a aproveitar melhor. Agora que vejo o meu marido a preparar-se para regressar ao trabalho acho que podia ter feito um esforço para as férias serem melhores... E agora preparo-me para uma nova fase. É que eu e os miúdos ficamos mais uns tempos. E a mãe do meu sobrinho, uma cunhada maravilhosa que eu tenho, junta-se a nós no sábado com a minha sogra. Vamos ver como corre esta nova fase com novas rotinas e novos ritmos. E impliquei tanto com o meu marido nestas semanas (achava sempre, injustamente, que ele não me estava a ajudar o suficiente, coitado... Os maridos também sofrem bastante no pós parto) e agora já estou aqui a morrer de saudades dele... E quando regressar com os miúdos dos matraquilhos e dos carrinhos de choque vou beijá-lo muito!

O Afonso já molhou os pés!

O mais velho andava doido para o mano tomar banho ou, pelo menos, molhar os pés. Já está. Estava calor. A água estava boa e fizemos o baptismo dos pés do Afonso nas águas quentes do Algarve. Não chorou, o meu bebé, mas mandou um grito!

Namoro, casamentos e filhos visto por uma criança de 3 anos!

Almoço. Eu, maridão, filho de 3 anos e sobrinho de 13. Eu e maridão damos uma beijoca. (já sinto saudades dele, apesar dele só ir amanhã embora para Lisboa).
Filho: Não podem namorar.
Pai: Claro que podemos.
Mãe: E muito.
Filho: Não podem não.
Pai: Porquê?
Filho: Já não são namorados. Já houve casamento. São casados.
Risos...
Pai: Então agora é só fazer filhotes?
Sobrinho: Jesus, não! (Como quem diz: não vão por aí, ok? A idade das vergonhas em que não quer os tios a falar de sexo...)
Filho: Ter filhos é uma coisa muito boa!!

Bebé de sling

Há uns tempos a enfermeira do centro pré pós parto perguntou-me se o Afonso estava a ficar um bebé de colo por andar tanto no sling. Na altura disse que não, mas se fosse hoje dizia que sim... E quando ele está com aquela birrinha para tentar adormecer - aliás, das únicas alturas em que ele chora - ponho-o no sling e ele adormece profundamente... Basta 1 minuto e já está. É impressionante! Ainda agora utilizei esta técnica. Como é que vai ser quando ele já não couber no sling nesta posição de berço, quase fetal? É que para o transportar já passei para outra posição, a canguru , mas para adormecer nada melhor que estar enroscado em mim.

1 de agosto de 2013

Momento Zen! Vou ter o meu. Todos os dias!

Li este post da Mum e aderi de imediato. Preciso urgentemente de meditar. De desacelerar. De abrandar o ritmo. Ando a 2000 mil à hora. A cabeça sempre a bombar (dar de mamar, tratar do Afonso, horas da praia, almoço, creme protector, fazer o mais velho vestir-se e comer, despachar o meu marido para irem para a praia a horas decentes, tratar do Afonso, começar a estudar o projecto que vou começar em Setembro, arrumar a cozinha, limpar as areias que vieram da praia, ir para a praia com o baby com as horas contadas, horas disto e daquilo.... ). Posto isto, e como ando num stress e sempre a correr, achei por bem aderir a este grupo. A ideia é meditar. Ter 10 minutos só para mim e meditar. Meditar e respirar. Bem preciso.
 
Depois dou notícias.

O meu adolescente de 3 anos

O meu filho mais velho, de 3 anos, acha que é crescido. Agora que chegaram os primos mais velhos de 13, 14, 15, 16 e 17 anos acha que é um deles! Na praia, está sempre com eles, pede para irem tomar banho com ele, senta-se a vê-los jogar às cartas, ouve música no ipod, joga com eles à bola e à noite vai com eles e com o meu marido jogar matraquilhos. Um deles, o meu sobrinho de 13 anos, está connosco cá em casa e ele acha que têm de ir à mesma hora para a cama e quer fazer tudo como o primo. Já lhe expliquei que os mais novos se deitam mais cedo. O primeiro a ir é o Afonso, depois é ele, depois o primo e depois os pais, mas ele não está nada convencido! Este miúdo tem cá um power!!!

Tapa, destapa...

Eu vou lá tapar o Afonso, mas ele imediatamente levanta as pernas e coloca-as em cima do lençol. Por mais vezes que o tape, ele destapa-se logo. Por isso, tenho de lhe vestir um babygrow completo à noite para dormir. É que as noites, apesar de estarem maravilhosas, arrefecem.

Queda de cabelo no pós parto

Certinho e direitinho. Uns dias antes do meu piolho fazer 3 meses comecei a perder cabelo e, desde então, tem sido uma loucura. Cabelos meus por todo o lado. Que seca. Já do primeiro filho foi assim. Já não me lembro é quanto tempo é que isto demora.

As crianças, o trabalho e o mês de Agosto

Não sou grande fã do mês de Agosto, que hoje começa. Este ano até estamos bem a banhos no Algarve, mas o meu marido já me avisou que por estes dias esta terra vai virar loucura! Já está bastante composta de gente, mas parece que daqui ao fim do mês é só a piorar e são filas para o pão, para o multibanco, no supermercado e em todo o lado.
 
É a primeira vez que estou de férias, neste caso de licença de maternidade, em Agosto. Eu e o meu marido sempre fomos fãs de férias em Julho e em Setembro... Ou umas escapadelas em Dezembro para outros verões. Mas desde que fomos pais que temos um problema em Agosto porque a creche dos nossos filhos está fechada (digo nossos porque o Afonso também já está inscrito) e é preciso muita imaginação para este mês. Um ano o mais velho ficou com a minha mãe, noutro ano foi para a escola onde andava um filho de uma amiga, no ano passado ficou com a nossa empregada e este ano está comigo. Ainda ficamos cá em baixo mais uns tempos, (só o maridão vai trabalhar), mas depois há que dar lugar a outros cunhados e filhos (partilhamos todos uma casa de família e temos um calendário porque o meu marido tem 7 irmãos e todos gostam de vir, pelo menos, 2 semanas no verão) e temos de regressar a Lisboa.
 
Ainda vamos estar 3 semanas de Agosto em Lisboa e já ando a ver actividades para o mais velho. Claro que havemos de passar uns dias em casa. Quando chegarmos ele há-de estar cheio de saudades do seu espaço e das suas coisas, mas depois há que aproveitar o resto do tempo. E como eu tenho o Afonso ainda muito pequenino já ando a estudar opções giras para o mais velho.
 
Há quem se queixe e não compreenda as creches que fecham em Agosto, mas eu compreendo e acho que todos (educadoras, auxiliares e crianças) precisam desta pausa. Precisam de ganhar saudades do espaço e dos amigos para recomeçarem de novo e com entusiasmo em Setembro. Quem não tem mesmo alternativas para deixar os filhos tem de ponderar uma creche que esteja aberta neste mês, mas com imaginação e planeamento antecipado é possível arranjar soluções. E, desta forma, o regressso é Setembro é um recomeço! Com tudo de bom e de novo que os recomeços trazem.
 
Mas, por agora, há que aproveitar o verão e as férias...