29 de novembro de 2019

Hoje também se fazem trabalhos de casa

E é giro como os filhos são todos diferentes. Este meu filho, acabado de entrar no 1º ano, é super trabalhador, é muito responsável e é ele que vai buscar os cadernos para fazer os trabalhos de casa. É muito cuidadoso, quer fazer tudo bem. Os seus cadernos estão sempre limpos e cuidados. Está a aprender as letras, os ditongos, as primeiras contas... E está muito empenhado. Leva a escola muito a sério.

E o desafio que é estudar e trabalhar com três filhos em casa?


 Já estou habituada a ter de trabalhar ou de estudar com os meus filhos em casa. Não é fácil, mas é possível, uns dias corre melhor, outros dias pior... e há outros em que se torna quase impossível. Hoje à tarde está a correr bem. O meu filho Afonso veio espreitar: 

- Oh, mãe! E estás a ver vídeos no computador? Isso é o teu trabalho?! Grande sorte!

Vocês também podem espreitar aqui o fantástico documentário que eu estava a ver. 

"Escola encerrada"


Tem sido uma constante neste ano letivo. Greves e mais greves, a escola fechada e os miúdos sem aulas. Quem nunca faz greve é a mãe! (Se bem que às vezes lhe apetecesse, nem que seja por breves segundos).

Já tinha combinado ajudar uma querida amiga com o espaço onde ela vai montar uma exposição e lá fomos os quatro. Ajudaram com as medições, apontaram medidas... Portaram-se super bem e participaram no projeto. Em dia de loucura da Black Friday os meus filhos olharam para a realidade das crianças nos campos e refugiados de Moria, na Grécia. Enquanto por cá se batem para conseguirem comprar o último Iphone há muito mundo onde ainda se luta por um pedaço de pão ou um par de sapatos. 

Ontem levei um soco no estômago...

... quando o meu sobrinho conta, naturalmente, que uma menina da sua escola se tentou suicidar, cortando os pulsos, pela 4ª vez, na casa de banho da escola. Para eles, começa a ser normal. A menina tem 11 e quando desaparece as amigas já sabem onde têm de a procurar: na casa de banho. A menina sofre de bullying! Fiquei doente, com o estômago embrulhado a pensar na dor daqueles pais, no sofrimento daquela filha e na impotência de todos os que não conseguem impedir estas tentativas. 

28 de novembro de 2019

A minha miúda!

Tive de ir buscar uma coisa ao Colombo e levei a minha filhota.
 - Queres ir ver o Pai Natal?
- Não! Quero ir ao escorrega grande. Eu tinha medo, mas agora já não tenho! 
E lá fomos. Para os meus filhos é uma loucura ir ao Colombo ou a outro centro comercial porque nunca vamos, não é um programa de família. Tudo o que tenho a tratar faço-o sozinha, sem eles, enquanto eles estão na escola, de preferência logo à abertura, quando não há ninguém. Evito ao máxiiiiiiimo ir com eles para lojas, supermercados e centros comerciais. Eles precisam de ar puro, de parques e de campos para jogar à bola. E eu preciso de paz para fazer as compras. Não é benéfico para ninguém irmos todos. Mas, de vez em quando, lá levo um comigo... um sozinho é tão tranquilo e eles acham um programão com a mãe!


Mais uma greve nas escolas!

O meu filho mais velho já ficou sem aulas uns 4 ou 5 dias este ano... Amanhã há mais: "Funcionários das escolas marcam greve nacional para 29 de Novembro"! E se é verdade que faltam auxiliares nas escolas, que é, também é verdade que isto, este ano, tem sido um caos... na escola do mais velho estão em pré-aviso há 3 semanas e todos os dias há uma turma sem aulas! Eu que sempre defendi a escola pública estou muito desanimada este ano. Parece que estão a tentar acabar com tudo de bom que se conseguiu para a escola pública nestes últimos anos. Anda tudo cansado, esgotado, mal disposto e os miúdos apanham por tabela! 

27 de novembro de 2019

Na Islândia a tradição é trocar livros no Natal

Gosto da ideia de só se trocarem livros no Natal, como podem ler aqui, para fugir um pouco desta loucura consumista, já não se pode ir a um centro comercial sem ouvir músicas de Natal... Este ano estou sem espírito natalício, ou melhor, tenho todo o espírito natalício do convívio, do estarmos juntos a partilhar tempo, à mesa, horas sem fim à conversa, os primos a brincarem... um bocadinho como foi ontem aqui em casa no aniversário do meu marido. A família reunida, comida feita com muito amor, gargalhadas e boa conversa. Mas a parte dos presentes, do consumismo, do dar porque sim... não me interessa. Ontem fizemos o habitual sorteio de irmãos e cunhados para darmos só um presente em vez de 11 - já fomos 14, mas temos vivido divórcios de ruptura na família. Quando falei ao meu marido da troca de livros ele respondeu: isso é porque gostas de ler! Sim, eu que sou uma leitora e escritora avida sou casada com um homem sem prazer pela leitura. Não lhe foi criado esse hábito na infância, sendo o 7º filho não teve o mimo dos livros ao deitar (teve outros, claro), das histórias para embalar, nunca descobriu a magia de ler por prazer, mas ainda há esperança, até porque depois de ser pai descobriu o prazer e todo o amor que existe no momento das histórias que lê aos filhos.

Deixo três sugestões de leitura, duas para os mais pequenos e uma para nós:

Pré-Escolar, As Catatuas


Fui uma entrevista e a possibilidade de voltar a trabalhar em full time ficou em cima da mesa...

... E senti-me engolida. Comecei a pensar na logística que ia ser necessária para entrar às 8h30, tinha de começar a deixar os meus filhos no ATL da escola às 7h30. Depois eram 45 minutos até ao trabalho. Uma avença mensal de parque de estacionamento. Um horário completo até às 17h30, sendo que o volume de trabalho, a responsabilidade do cargo e a relação/dependência com outros departamentos era tão grande que houve logo a questão sobre a possibilidade deste horário ser alargado. Logo, tinha de colocar os meus filhos no ATL da tarde até às 19h, sendo que tinha de sair no máximo até às 18h15 por causa do trânsito. Tinha de pagar a alguém para apanhar a minha pequenina no JI às 17h30 para a levar para casa porque ela sem sesta não aguenta nem mais um minuto. Ia deixar de os levar à natação e ao futebol. Íamos chegar a casa às 20h, esfrangalhados e eu teria tudo para fazer - jantar, roupas- até nos sentarmos à mesa quando o meu marido chegasse, pelas 20h15. Depois era comer rápido e cama, que tínhamos de acordar às 6h30. Infelizmente, como podem ler aqui, é a realidade da grande maioria das crianças portuguesas. 

E senti-me sufocada por esta possibilidade. Tenho feito um percurso para ganhar trabalho e clientes como freelancer. Tenho estado a conseguir o meu caminho, os meus trabalhos. Financeiramente ainda é complicado, ainda não tiro um ordenado todos os meses, mas poupamos o ATL, nenhum filho o frequenta, poupamos empregada doméstica porque eu durante o dia, como estou em casa vou assegurando as coisas enquanto me levanto para esticar as pernas, poupamos gasolina, porque trabalho em casa...

Investi numa pós-graduação nesta área onde me quero afirmar... E tenho trabalho na área que mais me realiza.  Tenho várias encomendas para os próximos meses de projetos que me enchem a alma. E, acima de tudo, tenho 3 grandes projetos que são os meus filhos. Prefiro ter menos dinheiro ao final do mês, esticarmos mais o ordenado do meu marido, mas garantir que lhes dou o tempo de que eles precisam. E em conversa com o meu marido senti que somos privilegiados, eu sou privilegiada porque escolho não deixar os meus filhos 10 horas na escola. Tenho essa sorte. E os meus filhos também. E, nesta fase da vida deles, não me quero comprometer com um trabalho que me ia roubar toda a disponibilidade. Até porque assim que chegassem as 17h o meu relógio de mãe ia apitar porque é a hora a que eu desligo o computador para os ir buscar. Volto a abri-lo às 22, no sossego da noite. Mas das 17h às 22 quero ser deles. E trabalhar por conta própria permite-me crescer profissionalmente e ter tempo para a família. 

25 de novembro de 2019

A minha querida avó e a farinha Maizena...






Sempre que pego na farinha Maizena lembro-me das papas maravilhosas que a minha avó me fazia. Eu adorava-as e a minha avó fazia-as com tanto, tanto amor. Os meus filhos já não sabem o que é a magia da farinha Maizena... Um dia destes vou pedir à minha avó que me ensine. Espero que ela ainda se lembre. Eu nunca vou esquecer aquele sabor delicioso que a casca de limão e açúcar lhe davam!

Mais uma semana, uma nova ementa!

Esta chega-vos mais tarde porque sexta e sábado tive aulas de pós-graduação e ontem estive a tratar da roupa, dos trabalhos de casa do mais velho e a preparar o lanche ajantarado do aniversário do meu marido. No ano passado estávamos a milhares de quilómetros um do outro, com ele a trabalhar em Moçambique. Este ano festejamos juntos com os irmãos, cunhados e sobrinhos! 

Boa semana!


2ª - Peitos de frango grelhados com legumes assados no forno e batatas gratinadas no forno (são umas do Lidl com bróculos que adoramos cá em casa)

3ª - Lanche ajantarado de festa do maridão:
- Empada de frango e alho francês
- Quiche de frango, cogumelos e bacon
- Pizza enrolada de bolonhesa
- Lasanha com béchamel de espingares (ao béchamel normal, da bimby, junto um punhado de espinafres e depois é só triturar. Fica divino e os miúdos sempre comem mais uma dose de legumes)
- Pão recheado no forno com queijo e fiambre - coisa mais simples - abrir ao comprido um pão saloio e rechear com manteiga, queijo e fiambre e depois vai ao forno para derreter o queijo
- Salada mista rica (laranja, queijo parmesão, maçã e sementes)
- Tábua de queijo e presunto

- Mousse de chocolate - fiz esta
- Tarte de lima e oreo - fiz esta receita
- Bolo rainha

O bolo de anos é a melhor pavlova do mundo, feita pela cunhada mais velha
4ª - Arroz de pato com salada (compro este pato desfiado no Aldi)
5ª- Chilli vegetariano com abóbora manteiga - daqui

6ª feira - Empadão de bacalhau com puré de batata doce - Inspirei-me aqui, mas faço o puré na bimby, com leite.

20 de novembro de 2019

Adorei o livro "O Rei Pequenino"

E os meus filhos também. As ilustrações são lindas e a história é muito ternurenta. 

Este exemplar requisitei na biblioteca, mas acho que é uma excelente opção para um presente de natal. Eu adoro oferecer livros. Talvez porque também os adore receber! 

Hoje é o Dia Internacional dos Direitos das Crianças

Hoje as redes sociais enchem-se de fotos fofinhas de meninos em pijama, de imagens bonitas e coloridas. 


Mas, infelizmente, a realidade de milhares de crianças em todo o mundo é bem negra e muitos desses direitos não passam do papel. Marquem na vossa agenda e vão ver a exposição de fotografia da minha querida amiga, Dulcinha Machado, que trocou o conforto do ensino num colégio particular, onde estava há mais de vinte anos, pela ajuda aos refugiados. 

5 a 10 de dezembro 


18 de novembro de 2019

Mais uma semana, mais uma ementa

Aqui fica a minha sugestão para esta semana, que inclui um prato vegetariano!

Boa semana!

2ª - Frango desfiado (das pernas de frango que assei no forno no fim de semana com legumes) com cogumelos e bacon, numa carbonara à minha moda. Acompanha com salada.

3ª - Caril de lentilhas e abóbora manteiga, daqui

4ª - Rolo de carne com salada e arroz branco. Podem inspirar-se aqui, que tem imensas sugestões.

5ª- Lombinhos de pescada no forno com puré de batata doce e feijão verde salteado

6ª feira - Almôndegas em molho de tomate com esparguete. As almôndegas são inspiradas aqui. São maravilhosas.

14 de novembro de 2019

Mais uma sugestão de leitura para os mais pequenos!


"A Máscara do Leão" é um livro delicioso, pelo texto, pelas ilustrações! Requisitei-o ontem na biblioteca, mas os meus filhos disseram logo que este era para comprar! É mesmo lindo!

Facilita muito as nossas manhãs: os nossos filhos vestem-se sozinhos! Os três!

Em muitas casas há grande correria matinal para que não hajam atrasos. A nossa não é excepção, mas de facto temos implementado algumas medidas, muitas delas aprendidas com a Magda Dias, em sessões de coaching e workshops, outras adaptadas por nós, à nossa rotina e à nossa dinâmica.

Uma delas, que causa alguma estranheza entre alguma família e amigos mais conservadores, é que os meus filhos escolhem a roupa deles e vestem-se sozinhos desde muito pequenos. Há mais de 1 ano que a Francisca já o faz e ela ainda só tem 3 anos. Por um lado dá-lhes autonomia, a mim liberta-me para preparar os lanches da escola e para avançar com o pequeno almoço. Eles gostam de escolher as roupas deles e sentem-se mais responsáveis, mais crescidos. Se adoro as combinações que eles fazem? (A miúda é a pior, até porque só gosta de meia dúzia de peças de roupa e não sai disso) Se gosto que andem sempre de fato de treino e equipados à futebolista? Não. Mas eles gostam. E vão confortáveis para a escola, que é o que mais me importa, e sem birras matinais. Nem imaginam o que esta medida melhorou as nossas manhãs, não há discussão porque não gostam do que eu escolhi para eles, que aperta, que está largo. A única parte em que eu intervenho é que quando chove e está frio eu obrigo a levar um blusão. Ao fim de semana, também são eles que escolhem a roupa, mas já com mais intervenção minha, e as calças de fato de treino estão guardadas para os dias de escola e os equipamento de futebol para os treinos. Ter três filhos obrigou-me a querer escolher muito bem as guerras que quero comprar. E a roupa que vestem para a escola não é, de todo, uma delas!

13 de novembro de 2019

A rede de amigos, de ajuda, de segurança e conforto que criamos é maravilhosa!

Descobri, depois de ser mãe, o importante que é termos uma boa rede de ajuda no que diz respeito aos miúdos. Não organizo nada e não planeio atividades a contar com os outros, conto comigo e com o meu marido, mas depois, no dia a dia descobri que se nos organizarmos com pais de quem já nos tornámos amigos - e tenho tido a sorte dos meus filhos terem trazido pessoas fantásticas à minha vida, e é tão bom ter novos amigos aos 40, amigos que chegaram há pouco tempo, mas que sabemos que vão ficar para sempre. Ganhamos tempo e os miúdos ganham com mais convívio e percebem como é bom ter amigos, como é bom partilhar tarefas, como as famílias apesar de amigas podem ser diferentes nos pormenores... 

Nos dias de futebol apanho mais um amigo da escola do mais velho e levo todos ao futebol. No regresso é a mãe ou o pai dele que  os traz - tirando quando o meu marido sai a horas decentes do trabalho e dá aos filhos a alegria de ir ver o final do treino. Esta parceria com este amigo já vem da época passada e funciona muito bem! 

Nos dias de natação é igual. Outra família de amigos, estes com 3 filhos, e ora levo eu a malta toda e chego à piscina e pareço que sou de um ATL :)) ora levam eles e eu geralmente também vou lá ter depois. Eu confesso que detesto os dias e piscina, aquele ambiente, o calor, a lesmice deles que não têm pressa depois da aula, que ficam na galhofa com os amigos no duche e que acaba, quase sempre, comigo a zangar-me porque já são oito da noite e temos mais do que fazer. Mas esta entre-ajuda permitiu-me hoje não ir lá nem levar nem trazer porque tinha uma aula da pós-graduação. Sei que eles vão e voltam bem, mandei lanche para os rapazes todos e poupei-me a uma tarde de natação! 

Esta logística fica facilitada porque moramos todos a menos de 1km uns dos outros. Dizem que é preciso uma aldeia para criar uma criança... E é verdade. E se às vezes a família não pode ajudar, criamos nós a nossa rede, a nossa família alargada. E é bom saber que se surgir um imprevisto temos alguém que nos apanha os miúdos na escola, que os vai buscar, os leva, ou os traz. É bom saber que a um telefonema de distância temos quem nos segure as pontas, se precisarmos, porque nós também estamos cá sempre para o fazer, para ajudar, para facilitar. E é tudo muito melhor. 

Shiu... a mãe está a comer chocolate com laranja e tâmaras às escondidas

Uma pessoa vai à ginástica, faz ementas saudáveis, corta no açúcar e nas porcarias porque fazem mesmo mal... mas depois vai com fome ao supermercado e desgraça-se. E esconde. Bem escondido para os filhos não verem e não fazerem uma revolução. E depois vai comendo enquanto trabalha... Hoje não tive força de vontade. Não tive. E já escondi tudo bem no fundo do meu escritório, para eles não verem e eu também não.

11 de novembro de 2019

Bolo de banana, canela e frutos secos

Vi as bananas a apodrecerem na fruteira e decidi dar-lhes um destino mais saboroso. Tinha, e tenho, ainda muitos frutos secos que trouxe da quinta da serra da estrela há dois anos, antes dos incêndios - a última remessa, porque dois dias depois arderam todas as árvores no fatídico outubro de 2017- e decidi juntar as bananas com os frutos secos e canela. Adaptei esta receita porque também lhe juntei um pouco de farinha de coco, isto porque nunca sigo completamente as receitas e porque cá em casa há dois elementos que não gostam de banana e queria atenuar um pouco o sabor destas. Está maravilhoso e o cheirinho que se espalhou pela casa é divinal.

Voltei à faculdade...

... 24 anos depois de ter entrado ali, pela primeira vez! Estou rendida à minha pós-graduação, estou feliz por estar a fazer uma coisa por mim, pela minha formação, pela minha pessoa! É bom estar integrada numa turma pequena e super entusiasmada como eu. É maravilhoso ter bons formadores, workshops vários, uma abordagem diversificada de uma área que eu adoro e na qual estou a desenvolver vários projetos. Estou mesmo entusiasmada. Sei que vai ser desafiante em termos de trabalhos, de tempo de aulas, de aulas em modo b-learning, mas tenho a certeza que vai ser um ano letivo fantástico, muito rico e de uma enorme aprendizagem.


Voltei a ter cartão de estudante... e como brincava o meu marido (que segura todas as pontas nas noites e fins de semana em que tenho aulas) mais um bocadinho e tenho outra vez cartão jovem! Estou mesmo contente, já vos disse?
E a diferença que é voltar a estudar aos 41 anos? Toda outra maturidade, serenidade, percurso profissional, história de vida... Vou aprender e apreender muito mais do que se estivesse acabada de sair da faculdade a fazer uma pós-graduação só porque sim, porque dá currículo! A idade traz-nos coisas muito boas, e eu sou muito mais feliz e completa e motivada agora aos 41 anos do que aos 17 quando para ali entrei. A única parte menos simpática são as propinas, mas temos de as ver como um bom investimento! 

Ementa Semanal

Aqui fica a minha sugestão para esta semana, que inclui um prato vegetariano!

Boa semana!

2ª - Alheiras de javali no forno com batata doce assada e bimis salteados

3ª - Lasanha de atum com salada
4ª - Chilli vegetariano com arroz basmati
5ª- Bifes de frango grelhados com legumes assados.

6ª feira - Lulas estufadas com puré de batata e feijão verde cozido

7 de novembro de 2019

Maria Rapaz

A minha filha é muito Maria-Rapaz e não me deixa por-lhe laços, ganchos, fitas ou elásticos. Ela é assim e, pelo menos por agora, não gosta de ser embonecada, nem de vestidos, nem saias, nem golas com folhos. Quer é jogar à bola, correr e saltar com os irmãos.


Mas eu, de vez em quando, lá vou insistindo. Ontem, no balneário da natação: - Oh, Kika, quando é que deixas a mãe fazer-te uns totós lindos? E ela responde, muito serena: - Dia 15 de Abril! Desmanchei-me a rir! E vou cobrar! (o dia 15 de Abril não é nenhuma data especial para nós)

4 de novembro de 2019

Por aqui começámos a ver Modern Love


8 episódios de pouco mais de 30 minutos, 8 histórias diferentes, baseada na coluna semanal publicada pelo The New York Times, está muito bem escrita e bem realizada. É uma série perfeita para ver a dois e como é bem curtinha temos conseguido ver os episódios sem nenhum de nós adormecer! Recomedo, na Amazon Prime, serviço de TV por streaming da Amazon. Ainda estamos a experimentar o mês gratuito, mas como o meu marido é grande cliente da Amazon, onde compra tudo, é bem possível que o Prime Video tenha vindo para ficar. 

Um livro com texturas, que faz as delícias dos meus filhos há uns anos...

É um livro muito terno, com texturas e que fala da relação de dois irmãos ursinhos. Foi oferecido pela educadora do filhote mais velho, quando ele fez 3 anos, poucos meses antes do mano nascer. E ainda hoje em dia o livro faz sucesso. Ontem foi a mais pequenina que pediu para lhe contar esta história. E assim fiz. A Melhor Camisola do Mundo.

3 de novembro de 2019

Este mês de Novembro traz-me uma Pós-graduação!

Vou voltar à faculdade, vou fazer uma pós graduação numa área que adoro e na qual tenho estado a trabalhar mais. É sempre importante fazer formação e ao ver esta pós-graduação senti logo imensa vontade de a fazer. Ainda havia vagas, analisei, pensei, discuti o assunto com o meu marido, já que vai implicar bastantes noites e fins de semana com aulas, trabalhos... Gosto de ter tempo para pensar, amadurecer as ideias, como já tinha feito em relação a outra formação que quero fazer em janeiro e fevereiro, mas aqui é agora ou só para o ano. E o momento é agora. De 8 de novembro até julho... Vai ser um grande investimento, pessoal e financeiro, mas espero que corresponda às expectativas, que me dê novas ferramentas e que me traga mais trabalho numa área que eu adoro. 

Ementa Semanal

Aqui fica a minha sugestão para esta semana, que inclui dois pratos vegetarianos!

Boa semana

2ª - Rancho à portuguesa, vegetariano

3ª - Pá de porco estufada com tomate, cenoura e cebola com arroz branco
 
4ª - Lulas recheadas com arroz branco
 
5ª Lasanha com salada verde e tomate 

6ª feira
Mais uma receita vegetariana - One Pot Pasta