30 de abril de 2019

Esta fez-me dar uma gargalhada!

Na verdade, não conheço mesmo ninguém mais fofoqueiro que a minha manicure. Sabe tudo, conta tudo dela e dos outros... Não se cala nem um minuto todo o tempo que eu lá estou. E sabe tudo da vida de toda a gente. Eu bem vou tentando não dar grande conversa, vou lendo revistas (de fofoca:-))) e espreitando o telemóvel, mas ela não se rala e lá vai contando da vida dela... É ótima manicure, mas tem este defeito da língua grande... E mal vi esta notícia lembrei-me logo dela.


Almoço de filho único

Não é uma rotina instituída, mas é um enorme prazer, para mim e para ele. Hoje fui com o mais velho. No final da semana vou com o do meio. Só a Mini fica de fora destes almoços porque lhe ia alterar a rotina e não ia perceber porque é que ia almoçar e depois voltar para a escolinha. Como em tudo não há regras e faço o que acho melhor para eles. Ela tem imensos programas só comigo e sei que os rapazes precisam mais desta exclusividade, de tempo de antena. São momentos de partilha, sem confusão. Eu e eles. 

29 de abril de 2019

Fizemos a inscrição através do Portal

... e correu super bem. Inscrevi o meu filhote do meio no 1º ano do 1º ciclo e a mini no Jardim de Infância público, do mesmo agrupamento. Nem uma hora demorámos a inscrever os dois aqui. Tínhamos o cartão do cidadão (meu e deles) e o leitor de cartões. Foi simples e rápido. E mais uma tarefa concluída na To Do List destes dias. Agora é esperar que entrem na 1ª opção e que sejam muito felizes! Ainda tive algumas reticências em relação à mini, já que no JI público não é obrigatório deixarem-nos dormir a sesta - se bem que muitas educadoras o fazem, quando percebem que têm uns mais minis que precisam de dormir- mas tudo o resto é favorável. Bem sei que será mais uma mudança para ela, mas mesmo que ao início estranhe, depois adapta-se. E ela é tão despachadinha, que há-de correr bem. Pelo sim, pelo não, vou inscrever também na IPSS onde anda porque como ainda só tem 3 anos pode não ter vaga, já que em vez das 5 opções eu coloquei apenas a única que eu quero. E se não entrar no agora, entra no ano a seguir. 

26 de abril de 2019

Parece segunda, mas é sexta feira

e enquanto o pai, que saiu a horas decentes do escritório, foi jogar à bola com os três para o campo ao lado de casa, eu preparo o jantar com um bom copo de vinho tinto!

Bom fim de semana!! 

Lanche ajantarado para festejar 6 anos em família!

Cá em casa quando há festas, principalmente durante a semana, optamos por fazer um lanche ajantarado. Começa mais cedo, é mais simples e funciona sempre bem. Quando mudámos para esta casa mais pequena, sendo a família grande, a nossa dúvida era em relação às festas... Como ia caber toda a gente? Não cabe, vamos gerindo... Na terça feira éramos 22 pessoas, entre irmãos, cunhados, avós... Não vieram os sobrinhos todos nem todos os tios, que estavam fora e até correu bastante bem. Preparei tudo no dia. Preparei uma empada folhada de frango e cogumelos - que adaptei desta e desta  receita, uma quiche de frango e alho francês, havia tortilha de batata - comprei no Lidl e aqueci no micro ondas e estava bastante boa, pão recheado, adaptei esta receita, fiz pasta de atum, pão e broa. Não fiz o bolo de anos, que o Afonso pediu a Pavlova da tia Sofia, que já é lendária! E a minha mãe fez uma mousse de chocolate. Simples e bom. Claro que me esqueci de fotografar os pratos... Mas o mais importante ficou registado.

Família sempre em festa...

O meu filhote do meio fez 6 anos na terça feira! Como o tempo passa... e depressa! Para a escola, pediu-me para lhe fazer o famoso bolo de iogurte. Espreitem esta receita infalível e testada mais de 100 vezes cá em casa!


Para a festa com os amigos houve novo bolo de iogurte, mas desta vez o meu filho deixou-me inventar... E saiu uma praia.


Quer a relva quer a água do mar é hóstia, comprada numa loja de produtos para festas. A areia da praia é bolacha Maria triturada com uma noz de manteiga. O bolo é o mesmo bolo de iogurte. Foram os dois bolos um sucesso! E, mais importante, o menino dos anos adorou! 💓 

22 de abril de 2019

9 dias no meio da natureza, em família...


Foram umas férias diferentes. A tradição da Páscoa a Sul, com a família do Algarve, foi trocada pela Páscoa a norte, entre Castelo de Vide e Marvão, terra do meu sogro... 
Ao todos, na mesma casa éramos 10. Os meus estavam felizes por estar com os primos, com quem nunca passaram muitas férias até a minha cunhada se divorciar há uns meses, porque o pai deles nunca gostou de confusões nem de famílias grandes... por isso, os miúdos agora também estranham estar numa casa cheia de tios, tias que dão ordens, rotinas diferentes, primos que fazem barulho... Educados numa redoma de quartos individuas, com tv's e playstation para cada um, num ambiente hermético de resorts não é de estranhar que aranhas, abelhas e formigas os fizessem saltar. 

São exactamente da idade dos meus filhos, mas têm vivências completamente opostas... no primeiro dia queriam vir para Lisboa, para o cinema, para o Corte Inglês... No fim, apesar das bulhas, das discussões e da confusão já não queriam vir embora. Habituaram-se aos animais, às queimadas, à falta de televisão, à liberdade de um monte com 20 hectares por onde podiam andar à vontade... adoravam ver a lareira a arder, gostaram de jogar à bola no meio do campo, tomar banho na piscina e na barragem. 









Ao princípio, refilavam que não havia nada para fazer, que queriam voltar para Lisboa, mas depois perceberam que o campo não é assim tão horrível. Os meus filhos, que adoram natureza estavam felizes e tentavam mostrar as maravilhas do campo aos primos... às vezes com uma pontinha de gozo por estes terem medo do vento, das osgas, da trovoada... 


Uns dias antes do final das férias os meus sobrinhos tiveram de vir para casa do pai, como já estava estipulado, e ficámos só nós e mais dois irmãos do meu marido. Confesso que foi um certo alívio quando eles se vieram embora... a casa sossegou um bocadinho e houve  menos confusão, entre primos e entre irmãos. É complicado gerir tudo entre os miúdos quando já não há uma avó que imponha a autoridade e as regras. Felizmente chegou a minha cunhada mais velha que meteu alguma ordem! Quando uns primos têm umas regras e outros têm outras... Oh, mãe, os primos deixam comida no prato e a tia depois dá-lhes bolachas! Oh, mãe, a M. diz que não tem de comer sopa! Mas entre queixumes e discussões houve muita brincadeira e aprendizagem... e o susto da minha filha cair à piscina logo no primeiro dia. Por sorte, os irmãos e os primos estavam perto, gritaram e o meu marido foi a correr e atirou-se... vestido e calçado, telemóvel, tudo! Que aflição! Ela está sempre a contar: o pai salvou a Kika e a mãe deu miminhos! Casas com piscina são um perigo e todo o cuidado é pouco.  E estou desejosa para que ela para o ano vá aprender a nadar. O único aspeto positivo foi que ela ganhou um respeito tal que nunca mais se aproximou da piscina sozinha... Terminámos as férias em grande, na casa de família, com um fantástico almoço de Páscoa com sarapatel e quatro gerações à mesma mesa!














12 de abril de 2019

Escritório com vista


Um novo projeto começa hoje a ganhar forma... Vai ser uma aventura enorme, um grande desafio... Nunca fiz nada igual, com uma carga tão grande... vou acompanhar os últimos meses de um doente terminal, um homem muito jovem com uma história e um percurso de vida incrível, que quer deixar as suas memórias à sua única filha, que é muito pequena para compreender tudo o que o pai lhe quer contar... há histórias que merecem ser contadas, esta é uma delas... e calhou-me a mim esta missão. Vai ser uma grande viagem... já chorei, já ri... é um murro no estômago, faz-me pensar na vida, na maneira como quero viver, faz-me lidar de frente com a morte de uma pessoa da minha idade... e isso dá-me um nó na garganta...

11 de abril de 2019

A mana cá de casa!

A nossa Kika é doida pelos manos, adora-os, imita-os, abraça-os, atira-se para cima deles, joga com eles à bola, desafia-os... mas quando eles a irritam ou ela se zanga, diz logo: Já não vais à minha casa! E eles riem à gargalhada com o ar dela, muito sério. Claro que ela enerva-se ainda mais... e eles explicam que a casa também é deles. E ela muda e diz: então não vais à minha festa! E vai-se embora, virando-lhes as costas!

9 de abril de 2019

Ontem entreguei um trabalho... hoje tenho dia livre...

... e há que o aproveitar bem! De manhã fui ao ginásio, é bom ter tempo para mim, e agora vou fazer o álbum digital 2018 da nossa família. Todos os anos faço um best off do melhor do ano... faço por ordem cronológica, de janeiro a dezembro e é giro ver a evolução dos miúdos, como eles crescem... e nós também!:-))) Faço no site da Hoffman e aproveito sempre promoções!

8 de abril de 2019

O Zé é cigano e bate-nos!

O meu filho mais velho gostava do menino novo da sua turma, o Zé. Oh, mãe, o Zé é cigano, disse-me ele, querendo saber o que é que ser cigano quer dizer, isto porque o Zé era o único menino cigano. Convidou o Zé para a festa de anos, no leque dos 10 amigos que podia escolher, mas o Zé não foi... não o deixaram... E agora já não são amigos. Oh, mãe, o Zé bate e faz fintas e faltas no cimento. Expliquei-lhe que se calhar o Zé não sabia ser de outra maneira, falei-lhe das várias realidades, fi-lo ver que o Zé (e o menino chinês) eram os únicos que não conheciam o Jogo da Forca quando fizemos a atividade na semana passada. Expliquei que nem todos os meninos têm a realidade deles, a realidade que tantas vezes os faz queixar (não me deixam jogar playstation durante a semana, não podemos comer todas as guloseimas que queremos, só duas vezes no carrossel?!...)... Falei novamente dos desafios da comunidade cigana, de como ainda vivem fechados, nem de propósito tinha lido hoje este artigo... e fi-lo ver que podia fazer a diferença na vida do Zé, principalmente quando me disse que já nenhum menino gostava dele. Disse-lhe para quando o Zé fizesse uma falta feia, agressivo, ele lhe dizer: tu és melhor do que isso! Nós queremos ser teus amigos. Mas responde-me o meu filho... não, mãe, o Zé não está no CAF (tempos livres férias) e depois já não vai à nossa escola... E eu fiquei a pensar no Zé e  na vida dele... 

O perigo da fast fashion...

Vale a pena ler este artigo sobre as toneladas de roupa que vão parar ao lixo todos os anos. Vivemos cada vez numa sociedade consumista e do descartável, do usa e deita fora. As pessoas são cada vez mais estimuladas para o consumo desenfreado, para comprar compulsivamente o que não precisam... "oh, é tão barato... e até é giro..." Mas de qualide duvidosa: ""A maior parte da roupa é sintética, do petróleo. Estamos a vestir-nos de plástico. Cada vez mais deixamos de comprar roupa de algodão." Eu evito ao máximo comprar desta forma e educo os meus filhos contra o consumismo desenfreado... Não é fácil, está tudo montado para comprar, comprar, comprar... 

7 de abril de 2019

Confissão de mãe...

Ao domingo à noite tudo o que eu quero é que eles vão para a cama e que 2ª de manhã chegue, para eu os acordar com beijos e panquecas (sobrou massa de hoje) e os deixar na escola. E voltar para casa para trabalhar. E ter sossego, muito sossego, não ouvir nada a não ser o som do teclado, da chaleira... Os filhos são mesmo o melhor do mundo, mas depois de um fim de semana intenso... preciso de um descanso... é que eles consomem-nos mesmo toda a energia. Claro que podia assobiar para o lado e não os mandar fazer a cama - era mais rápido ser eu a fazê-a, podia assobiar para o lado e não os mandar a colocar a roupa suja no cesto, podia assobiar para o lado e não os mandar levantar o prato e a raspar, podia assobiar para o lado e não os mandar pôr a mesa, podia assobiar para o lado e não os mandar arrumar os brinquedos, podia assobiar para o lado e não os mandar tomar banho, podia assobiar para o lado e não exigir que comessem verduras, sopas e salada, podia assobiar para o lado e não os mandar para cama, deixando-os adormecer no sofá em frente à televisão... Podia, de certeza que tinha menos birras e discussões durante o fim de semana, mas não era a mesma coisa... e não estava a fazer o meu trabalho de mãe, como eu acho que deve ser feito. O texto está em nome da mãe, mas aqui é mãe e pai e exigimos o mesmo, pedimos o mesmo, atribuímos as mesmas tarefas e responsabilidades aos nossos filhos. 

Ementa Semanal

  • 2ª feira
Bacalhau com cenoura e coentros no forno para aproveitar pão duro que demolho em leite quente, e depois misturo com o bacalhau refogado com a cebola, o alho, os coentros e a cenoura. É uma delícia.
  • 3ª feira
Bifes de peru com pesto de tomate e manjericão, com esparguete
  • 4ª feira
Mimos de pescada no forno, com ervas aromáticas e sumo de limão. Acompanha com puré de batata doce e bimis salteados
  • 5ª feira
Arroz e atum, cenoura, ervilhas e ovo cozido. Receita daqui.
    • 6ª feira
    Pizza aldrabada de queijo e fiambre e cogumelos - feita com wraps na frigideira. 
    • Sábado e domingo - Nunca há ementas definidas... 

    Mãe freelancer no banco!




    O meu escritório vai variando ao ritmo da vida dos meus filhos. Hoje aproveitei o treino do meu filho Afonso para acabar um texto. Ali trabalhei eu, ao ar livre, pedindo para que não começasse a chover. Fui-me habituando a conseguir trabalhar em qualquer lado, consigo concentrar-me e abstrair-me. De vez em quando lá levantava os olhos e lá estava o meu filho a trabalhar para o seu sonho: ser guarda redes!

    Amigas do Coração!



    A Kika e a M. são amigas do coração. Adoram-se, brincam imenso, são super cúmplices. A M. tem mais um ano que a Kika e são inseparáveis. Eu e a mãe da M. somos amigas desde o tempo do liceu e ontem jantámos lá em casa. Na hora de vir embora a M. convidou e a Kika quis lá dormir. Ficou. Correu muito bem! De noite perdeu a chucha, chamou por mim. A minha amiga deu-lhe a chucha e ela voltou a dormir. De manhã tomaram banho de imersão com Barbies sereias e brincaram às princesas. E por elas tinham continuado o domingo todo... A Kika já tinha dormido em casa da madrinha e já foi várias vezes de férias com a tia e os manos, mas em casa de amigos foi uma estreia. Para 3 anos de idade, não está nada mal!

    Orgulho de mãe com lágrimas à mistura quando o vi passar por mim e cortar a meta!

    Ontem foi a corrida do SLB e o meu filho mais velho participou na sua categoria e... ganhou o 1º lugar! Foi uma emoção tão grande. Reconheci-o do outro lado do estádio, já ia em segundo lugar... e depois vi-o dar tudo, ultrapassar e ganhar! Quando passou por mim, mesmo antes da meta, emocionei-me... e quando o vi cortar a meta, de peito aberto, foi a loucura! Corri para a zona da entrega dos prémios, vi-o a ser entrevistado para a Benfica TV e quando lhe colocaram a medalha... dei um yeahhhh que até assustei a águia Vitória!

    5 de abril de 2019

    Brincar na rua, correr e saltar ao ar livre, sem brincadeiras orientadas!

    O meu marido e eu defendemos muito as brincadeiras na rua, ao ar livre, a brincarem com paus,  a sujarem-se com terra... Há parque em Lisboa, que já conhecemos, e onde eles andam completamente à vontade. Sujam-se, às vezes caem e esfolam os joelhos. Chegam a casa diretamente para o banho, suados, sujos e felizes. Aprendem a brincar à vontade, a apanhar paus, pedras e folhas. Trepam às árvores e inventam jogos. Ao ler este artigo sobre a questão da brincadeira dos miúdos lembrei-me da prova de aferição do 2º ano do meu filho mais velho em que a professora dele nos disse que o meu, em 26 crianças, era o único que saltava à corda. Fiquei contente por ele e feliz por ele ser tão diferente do que eu era quando tinha a idade dele, em que a minha mãe me vestia sempre vestidos que não eram para sujar, as meninas não corriam nem faziam o pino, e eu brincava em casa, sossegada, com bonecas e com livros. Até ao fim do liceu as aulas de educação física eram para mim momentos de terror. Cá em casa é o oposto e os meus filhos correm, saltam, libertam energias e deixam-nos de língua de fora (felizmente depois libertei-me, comecei a fazer ballet, a ir ao ginásio e hoje já não sou tão inapta como era dantes, já quase faço a espargata)... na 4ª feira o mais velho vinha orgulhoso com a medalha que trazia do 3º lugar na prova de corta mato na escola. Fiquei orgulhosa. Eu e o pai promovemos imenso o ar livre, o desporto e o estarmos em família na rua. Mesmo com frio e chuva saímos, eles vão aos treinos de futebol... e é muito raro estarem doentes. Amanhã chove e o meu filho vai fazer a sua primeira corrida oficial com o Benfica ao peito! Nós vamos estar, também à chuva, a aplaudir e a dar força! Claro que também jogam na playstation e pedem-me mil vezes o Ipad, mas é controlado ao máximo, pouco tempo por semana, e assim que é preciso dar algum castigo saltam logo as tecnologias! 

    Uma atividade na sala do filho mias velho

    Uma manhã diferente na sala do filho mais velho, num pequeno almoço dedicado às palavras.  Uma atividade proposta pela professora, mas com organização e liberdade da nossa parte para decidirmos o que ia acontecer. Começámos com uma dança de percussão do Gana, muito gira, ensinada por uma mãe professora de música e depois do aquecimento fizemos o Jogo da Forca com palavras da letra da música "O Postal dos Correios", que depois cantámos acompanhados à viola! Escolhemos esta música porque ainda há pouco eles aprenderam a escrever uma carta e achámos que tinha a ver... No fim, pequeno almoço partilhado! Foi giro, estávamos alguns pais presentes. Eu tenho a sorte de gerir o meu tempo e o meu trabalho e consigo ir. Fico sempre a pensar nos miúdos que nunca lá têm os pais, e são sempre os mesmos... Mas fará sentido deixar de incluir os pais porque não podem ir todos? Acho que não e a atividade que fizemos incluiu todos os meninos, que se divertiram imenso e adoraram a manhã diferente, mesmo sem os pais lá. 

    3 de abril de 2019

    Uma educadora que vai ficar sempre no coração...


    ... e nas nossas vidas! Foram 7 meses, mas a ligação que se criou com  esta educadora acho que vai ficar para sempre! Já sabíamos que era apenas uma licença de maternidade, o que não sabíamos é que não nos iríamos querer despedir dela quando chegasse o dia. Ontem organizámos uma festa de despedida e foi muito emocionante, com pais e educadora a engolirem as lágrimas... Os miúdos nem perceberam muito bem, apesar de falado e explicado já há algum tempo, só a partir de hoje, com a nova educadora é que vão começar a perceber. A minha filha de manhã disse logo eu já tinha saudades da R. Mandámos um audio com beijinhos. Se há pessoas que têm um dom para trabalhar com crianças, uma delas é mesmo esta R. que os levava a brincar na chuva, a sujar na lama, que os beijocava, que ria, dançava e cantava com eles. Que era firme e doce, que lhes dava autonomia, confiança neles próprios, mimo e colo... E já está marcado um pic nic para estarmos juntos. Porque se há coisa que a idade me tem ensinado é que há pessoas que valem a pena estar na nossa vida. E essas não devemos perder, mesmo que mude o contexto... E tudo o que ela ensinou à minha filha e aos outros meninos vai ficar marcado neles, como os desenhos que tantas vezes ela lhes pintava no corpo! 

    1 de abril de 2019

    Ementa Semanal

    • 2ª feira
    Lentilhas estufadas com wraps
    • 3ª feira
    Caril de camarão e cajus
    • 4ª feira
    Almôndegas com puré de batata doce
    • 5ª feira
    Esparguete à bolonhesa
      • 6ª feira
      Bifes de frango grelhados com risotto. Compro uns risottos muito bons no Aldi, que são só preparar.
      • Sábado e domingo - Nunca há ementas definidas... 

      Bom dia, Abril!

      Chegou o mês do meu Afonsinho... E este ano, para mim, Abril é também mês de novas aventuras, de me desafiar, de começar novos projetos, novas aventuras...  Vou sair da minha zona de conforto e arriscar dar um salto... Estava com muita vontade que esta semana chegasse. Espero que os projetos que tenho em mãos se concretizem.