5 de janeiro de 2015

"Berra-me Baixo"

E vocês? Também aderiram? Quero mesmo parar de berrar. Já percebi que não resolve nada a não ser ficarmos ainda mais irritadas e eles também. Já aderi a este desafio das outras vezes e a verdade é que ainda não consegui mudar o meu comportamento de vez (sou uma aluna difícil, está visto), mas tomei consicência da minha voz e quando grito sei que o estou a fazer e que não o queria fazer. Tenho fé que é desta vez. Esta é a primeira semana. E hoje, quando o meu filho me ignorava quando eu o chamava para o banho e depois para lavar os dentes, respeirei fundo e não gritei. É tão fácil eles tirarem-nos do sério, não é? E quando damos por isso andamos todos aos gritos e ninguém se entende. E que logo giro que a Magda escolheu. Amei as cores! Agora ainda tenho um incentivo extra. Estou optimista e determinada a falar baixo e com calma. A ir buscar em vez de chamar aos gritos. A respirar fundo e a arranjar mil e um estratagemas para não gritar e me descabelar. O Alexandre está refilão, anda a desafiar-me, chama-me de chata e finge que não me ouve... E eu tenho este desafio do meu lado para me ajudar a ser uma melhor mãe, uma pessoa melhor. Espreitem aqui, aqui e aqui. E, por último, partilho parte do texto que recebi hoje no email de arranque do desafio. "Queres ser mais carinhosa com os teus filhos? Coloca-te mais ao nível deles, escolhe uma voz calma para falares com eles e lembra-te que as grandes coisas acontecem nos momentos mais insignificantes. É nos momentos mais insignificantes que vais conseguir ‘pontos’ para que eles te escutem. Quando? Nos momentos mais tensos!" As grandes coisas acontecem nos momentos mais insignificantes... e é mesmo verdade, e eles não as esquecem e nós também não.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!