16 de fevereiro de 2015

Resumo dos últimos 7 dias...


De segunda a sábado passei 84 horas a escrever para cumprir o prazos e objectivos. Não recebo horas extra, trabalho por projecto, mas ganhei um dor no braço e ombro direito que só foi lá com analgésicos e relaxantes musculares. Graças a esta semana infernal de trabalho...


  1. Fui considerada pelo filho mais velho a pior mãe do mundo - e quando o consegui ir buscar na sexta feira à escola disse-me que eu tinha sido a única mãe que não tinha ido ao desfile de Carnaval da escola com todas as escolas da junta... (Sei que a maioria não foi, era às 10 da manhã, mas para ele eu não ter ido foi horrível, uma tristeza e eu também senti uma enorme tristeza... Não era para os pais irem, mas muitos foram (houve quem metesse o dia) e os que não tinham lá os pais sentiram-se "abandonados". Porque é que uns pais foram e outros não? É sempre complicado de gerir.
  2. Quando chegámos da escola o mais pequeno quis mascarar-se com a roupa do mano. Sobrava urso por todo o lado, mas ele estava feliz.
  3.  E continuando na pior mãe do mundo não consegui ficar um único dia com o pequenino em casa que estava com varicela. Há semanas em que eu consigo gerir para ficar em casa, mas a semana passada foi alucinante e mal tive tempo para comer e dormir...
  4.  Quando andamos a mil, quando nos exigente 1000% no trabalho, quando as horas não chegam e temos de cumprir prazos e metas, há sempre alguma coisa que fica para trás. Fui péssima mulher, não estava cá, estando, estava exausta e com a cabeça nas questões do trabalho e descarreguei toda a minha angústia no meu marido.
  5.  Não estava com o meu filho mais velho no sábado quando ele aprendeu a andar de bicicleta no almoço de anos da minha sogra. Estava a trabalhar. Tenho a sorte de ter um marido maravilhoso que fez um vídeo e me enviou. Demos a bicicleta nova como presente de anos, mas a bicicleta demorou meses a chegar. Chegou sexta. É considerada a melhor bicileta para os miúdos. Espreitem aqui. Ele sentou-se no sábado e mal o meu marido o largou lá foi ele. Tem um jeito incrível, tinha ganho todo o equilíbrio com esta bicicleta sem pedais e foi vê-lo passar para uma bicicleta normal (somos completamente contra o atraso das rodinhas que não trazem benefício nenhum) em 2 minutos.
  6.  Enquanto trabalhava, perfeitamente alienada em frente ao computador, o meu marido deseja-me feliz dia dos namorados. Recebi este colar lindo. Há uns tempos tinha-lhe dito que gostava e ele não se esqueceu. E eu percebi que me tinha esquecido do dia dos namorados. Por sorte, fui fazer as compras da semana no sábado à noite e comprei-lhe uma camisola muito gira. (Deve ser a melhor noite da semana para ir ao continente. Só eu e os funcionários e música romântica nos corredores).
  7. E chegou domingo e acabei o meu trabalho. E foi uma sensação de férias. O filho grande foi lanchar a casa de um amigo da escola, mas o pequeno passou as duas horas sem o mano a chamar por ele. Quando o fomos buscar para o entregar ao padrinho e respectiva família (isto tudo no meio da rua, em segunda fila, que com o jogo do benfica não havia onde estacionar) para irem lanchar /jantar o pequeno começa num choro sufocante a chamar pelo irmão... Uma aflição. Resultado: levaram os nossos dois filhos. Iam felizes.
  8. E eu e o meu maridão fomos aproveitar. Fomos comer um hambuguer ao Honorato's e beber um gin! Rimos, conversámos, namorámos. Falámos de nós como pais, como casal, falámos da questão do terceiro filho que por questões de saúde minhas vamos ter de decidir em Março. É o agora ou nunca.  
  9. Já em casa com os filhos e com a filha dos compadres que hoje está cá para me ajudar com eles para eu consguir trabalhar, já sem a loucura da semana passada, pergunta o meu filho grande, quando o deito. "Oh, mãe, o que é que eu sou à avó da B.? (Ele foi ao lanche / jantar de domingo em casa da mãe do padrinho com toda a família reunida) Se eu sou primo da B. (por afinidade, claro, mas com muita amizade e amor) sou primo neto da Avó M., não sou? E o que eu me ri com o primo neto. Disse-lhe que sim. 
  10. Foi uma semana infernal de trabalho, mas que acabou muito bem. E as horas de domingo que passei sem trabalhar souberam a férias!

2 comentários:

  1. Ainda hoje ía escrever precisamente sobre a falta de tempo dos pais... No teu caso foi por causa do teu emprego. Mas e qd é pq as pessoas querem ganhar mais e mais, mesmo que não seja necessário para o orçamento, ou querem fazer desporto diariamente depois do trabalho, e chegam todos os dias às 21 ou mais a casa e só estão com os filhos aquele bocadinho pequenino, ou já nem os apanham acordados? Conheço casos assim, e faz-me alguma confusão... sinto que os nossos filhos sentem muito a nossa falta, e devemos ter tempo para eles, ou tentar pelo menos! Eu fico tão angustiada quando tenho uma semana má.... Vais ver que esta semana é melhor! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No meu caso, de 4 a 5 semanas tenho uma semana muito complicada. Custa-me horrores. Detesto faltar aos meus filhos - consegui todas as noites vir deitá-los:-) - mas é preciso agarrar as oportunidades de trabalho. Estou num projecto televisivo muito importante, que acaba em Abril, e é preciso dat tudo por tudo até ao final. Mas viver para o trabalho não é mesmo o que eu quero para mim.

      Eliminar

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!