22 de setembro de 2015

O pão e os refugiados

Doem na alma. São rostos de tristeza e de desespero. Rostos de fome e de miséria. Rostos de quem perdeu tudo. Os rostos das crianças e dos bebés marcam-me mais. Fazem-me doer a alma e perguntar como é que isto é possível. Hoje de manhã o meu filho mais velho começou a embirrar com o pão do pequeno almoço. O pai tinha ido comprar pãezinhos de mafra quentes, daqueles que nos fazem suspirar, mas o miúdo queria arrufadas com açúcar. E diz: este pão é uma porcaria! E eu senti uma revolta por dentro. Como é que este miúdo se atreve a dizer que pão quente acabadinho de sair do forno de lenha é uma porcaria?! Já ontem foi para a cama sem jantar, porque chegou à hora em que demos o jantar por terminado e ele continuava a dizer que a sopa era horrível. (São todas, aos olhos do meu filho). E eu hoje, acabadinha de ver imagens de miséria dos refugiados nas notícias das 7 da manhã, olhei-o bem nos olhos e disse-lhe, mais uma vez, que não lhe admitia que falasse assim da comida, quando há tanta gente, e tanta criança a sofrer e a morrer de fome! E falei-lhe dos refugiados que estão a fugir do país dele que está em guerra, de terem partido com a roupa do corpo, de terem fome, frio, de andarem a fugir em comboios e camiões sobre-lotados sem saberem quando voltarão a ter uma casa. Disse-lhe que havia imagens horríveis que nos chegavam pela televisão, imagens que nos faziam chorar e que não lhas mostrava porque ele só tem 5 anos e ia ficar um mês sem dormir. Mas mandei-o comer o pão e agradecer o pão quente, a casa, a família, a roupa, os ténis confortáveis, a cama cheirosa e a sorte de viver num país em paz. E ele comeu o pão. 

2 comentários:

  1. Gosto muito de te ler! Permite-me que te diga que és uma verdadeira inspiração na forma como educas os teus filhos para as questões realmente importantes da vida. Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas palavras tão simpáticas. Apenas tento fazer o que acho que é melhor... mas nem sempre o consigo, eu sei, e erro tanto... mas dou sempre o meu melhor, nesta que é a maior missão da minha vida. Um grande beijinho e obrigada pelo carinho

      Eliminar

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!