27 de setembro de 2015

O negócio das festas de aniversário

À medida que vou às festas de anos infantis, e com dois filhos, oito sobrinhos e filhos de amigos, posso dizer que já começo a ficar especialista na matéria e é impressionante a falta de qualidade que a maioria dos espaços e serviços apresentam. Eu tinha vergonha não só de apresentar um serviço daqueles, se fosse o meu negócio, como se fosse mãe de ter uma festa com tão pouca qualidade. Hoje foi flagrante. Na Marina do Parque das Nações assisti à festa mais pindérica que me lembro. Era tudo deprimente. A comida pouca é muito, muito má, os insufláveis ao sol, com quarenta graus, não foram uma opção até ao final da tarde, as animadoras que supostamente iam fazer um show do Frozen só me faziam lembrar aqueles travestis decandenetes com umas perucas horríveis e um ar decrépito a dançar sem música, porque a miserável aparelhagem não funcionou. O escpaço interior, onde teve de decorrer a festa, era mínimo. Cá fora, os insufláveis no parque ele estacionamento da Marina permitiam que as crianças andassem ali livremente podendo andar pelo parque de estacionento ou cair ao rio, porque as monitoras não conseguiam controlar a segurança, inexistente. Eram os pais e tios que estavam a policiar e a garantir que não desaparecia nenhuma criança. Enfim, mirserável e caríssimo. Uma vergonha. Não sei como é que estes sítios se aguentam. Ou são as pessoas que aceitam tudo porque não se querem chatear, ou não sei... Mas hoje entre família e amigos éramos mais de uma dezena de adultos completamente chocados com a fraquíssima qualidade de tudo!!! Os pais estavam super envergonhados pela miséria de festa... A sorte é que as crianças querem é brincar e as duas primas aniversariantes estavam contentes. Felizmente tenho tido muita sorte nos espaços onde fiz as festas de anos do mais velho, que para o mais pequeno ainda não aluguei espaço. Porque tenho visto com cada porcaria, mas como o de hoje acho que nunca tinha visto...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!