7 de novembro de 2015

Das coisas que se ouvem nas aulas de ginástica pré parto!

"Eu cá só vou ter dois filhos porque não tenho tempo para mais. É este e dois anos outro, que eu não quero ser mãe velha! Só vou ter filhos até aos 35" e ainda "Quero ter muitos filhos, e como sou nova (26 anos) posso ter uns 3 ou 4 até aos 31 ou 32 anos, que quero ser mãe nova!" E eu ri-me e meti-me com elas. E apesar de gostar de ter menos 10 anos e saber o que sei hoje, sei que hoje, aos 37 e meio, como diria o meu filho que contabiliza sempre os meios, tenho uma calma, uma sabedoria, uma paciência e uma maneira muito mais lata e mais serena de ver o mundo. (E não sou de todo zen, mas sou muito mais do que era há 10 anos) Vivi imenso, sem regras, sem horários e sem fraldas até aos 32 anos. Namorei imenso, viajei imenso, curti imenso, saí à noite, dormi até tarde, jantei fora sempre que me apeteceu, passeei, estudei, aprendi, ganhei mundo e hoje sinto-me muito mais preparada para ser mãe, para enfrentar os desafios da maternidade e de educar 3 crianças do que se tivesse sido mãe no início da vida adulta. Posso já ter algumas dores nas costas, mas ainda assim, grávida de 7 meses, sou capaz de estar horas sentadas a construir legos, vou ao parque e jogo à bola... e aproveito a vida com outro sabor, com menos urgência. Trabalho fora de casa, adoro o que faço e faço-o bem, mas a minha família está em primeiro lugar. Faço muitos serões a trabalhar depois de deitar os meus filhos, mas sou eu que todos os dias os deixa na escola e os vai buscar. E isso é um bem precioso, para mim e para eles. Consigo ser uma mãe mais presente. Sei muito bem o que quero. E estou muito feliz e realizada. Se gostaria de ter sido mãe mais cedo? Claro que tem imensas vantagens, mas a minha vida aconteceu assim, não conheci o meu marido na adolescência, e não casámos logo, namorámos muito, conhecemo-nos bem e aproveitámos muito bem os anos antes de casar e os primeiros anos de casamento. Fomos muito felizes só os dois. E isso fortaleceu-nos imenso como casal. E depois vieram os filhos. Não somos pais novos, pois não, mas somos os pais que somos e os melhores que conseguimos ser, e acho mesmo que a idade e a experiência de vida é muito benéfica para educarmos as nossas crianças.

2 comentários:

  1. Tudo na vida tem vantagens e desvantagens. E às vezes, dá para escolher, outras não. Se eu pudesse escolher, também queria ser mãe nova. Porque tinha muita diferença de idade da minha mãe (teve-me aos 41) e não guardo boas memórias desse generation gap. E porque apesar de aos trinta e picos sermos mais experientes, para mim nada bate a energia dos vintes. Tenho 37 anos e dois filhos, 4 e 1 ano de idade, e sinto-me constantemente esgotada. Preferia que eles tivessem agora 14 e 11 anos de idade, e fizessemos viagens em conjunto, algo que vejo a anos-luz de acontecer (e se me sinto KO agora, como estarei daqui a 10 anos?). Mas lá está, o meu marido e eu conhecemo-nos tarde, e não deu para ser mãe mais cedo, como preferia. São as vidas que temos :) um beijinho

    ResponderEliminar
  2. Sem dúvida! Serei mãe a 2a vez aos quase 35!

    ResponderEliminar

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!