29 de maio de 2015

O pai cá de casa!



É muito mais divertido que eu. Parece mais um no meio dos filhos. 


Pendura-os de cabeça para baixo, mesmo depois de jantar, para nervos desta mãe que acha que eles vão vomitar o pouco jantar que a custo lhes enfiou pela boca! Enquanto joga às escondidas esconde-os dentro dos armários, pedindo só mais cinco minutos de brincadeira enquanto a mãe chama para lavar os dentes. Joga PlayStation e esquece-se das horas de ir para a cama, coisa que nunca acontece a esta mãe, que mais parece que engoliu um relógio suíço. Os banhos que o pai dá são demorados e têm risos e cócegas na hora de vestir. Estes banhos só acontecem de vez em quando e por isso são especiais. O pai é especial, é aventureiro e permite que eles se superem ainda mais. Incentiva-os a pedalarem sem medo, a subirem às árvores, a pularem na lama e a serem livres. Eu sou mais cautelosa. E eles sabem disso. E acho que eu e o pai sermos diferentes só é benéfico para o crescimento deles. A mãe preocupa-se com os casacos e os chapéus-de-sol, o pai preocupa-se em ensinar a rematar e a construir o carro mais fixe com aquelas micro peças de lego, enquanto impede o mais pequeno de comer algumas. O pai gosta de gelados tanto ou mais que os filhos. O pai leva-os para dentro de água, mesmo quando está fria e a mãe aquece os pijamas e as toalhas de banho no radiador, nos dias mais frios do inverno. A mãe vai todos os dias levar e buscar à escola. Quando o pai vai é uma festa, e nem sei quem fica mais feliz, se ele ou os filhos. E acabam sempre a comer um gelado, um croquete do Califa ou um Donut’s do Lidl. O pai cá de casa é o melhor do mundo. Ao mesmo tempo que é o rei das brincadeiras – e brinca com eles com verdadeiro prazer, como já brincava com os sobrinhos desde que nasceu o primeiro há 18 anos – é firme e exigente com eles. Ensina-os, em vez de fazer por eles. Dá-lhes responsabilidades e ensina-os a andar de bicicleta e a caminhar por esta vida. E eu sinto-me abençoada por ter escolhido este homem para a minha vida, para ser o meu marido e o pai dos meus filhos. E ter começado a ter um tempinho só para mim, a sair de cena de vez em quando permite que o pai esteja ainda mais presente e que eu ganhe sanidade mental quer seja a correr, a ver montras ou a estar descansada na manicure.

2 comentários:

  1. Posso fazer uma partilha deste texto através da sua pagina do facebook no mural do meu marido? É que ele é isto tudo para as nossas filhas só que não tem uma mulher que escreve tão bem! :) Eu é mais numeros e formulas!
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que pode, Rita. Pode usar o link do FB e fazer a patrulha! Ainda bem que se identificou com o texto porque isso significa que tem em casa um super paizão, que enquanto a mãe tenta acalmar as crianças para dormirem o pai ainda as atira ao ar mais umas vezes! Bjs

      Eliminar

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!