Já fomos com o Afonso ao psicólogo e correu muito bem!

De maneira resumida o Afonso precisa de mais ajuda nossa nas tarefas do dia a dia porque está sofrer uma grande pressão e a chegada da mana veio fazê-lo sentir-se pouco apoiado, quando há um bebé tão dependente. A psicóloga ficou impressionada quando lhe dissemos que o Afonso se veste e despe sozinho, arruma a roupa suja no cesto, lava os dentes, limpa o rabo, come de garfo e faca, despeja os restos no lixo orgânico e põe o prato na máquina... É demasiado, disse ela. Nós explicamos que não foi imposto, que ele sempre mostrou muita autonomia e que nós incentivámos porque pensávamos que era uma coisa boa para ele, que o iria valorizar e fazer sentir crescido, mas não... A psicóloga disse que não precisamos de andar para trás, mas que devemos ficar junto dele, mostrar que estamos ali para o ajudar, que ele ainda é pequeno e que se precisar os pais ajudam sempre... É para ele não sentir que tem de fazer tudo sozinho, não sentir essa pressão... Nós achávamos que ele gostaria de se sentir crescido como o mano, mas ele precisa de sentir que ainda é pequeno e não tem de fazer tudo sozinho. Mesmo quando ele não nos deixa ajudar, ficar por ali... Nós achávamos que o estávamos a ajudar, mas não... E o mesmo se passou na escola. As visitas à mana no berçário e as visitas da mana à sala dele estão completamente proibidas. O mundo dele em casa foi invadido pela mana, que é um amor, tem graça e derrete todos, e depois não só foi para a escola dele, para o espaço dele como ainda a levam a visitar o mano na sala dele. Trouxe-lhe insegurança, mesmo que ele não o consiga dizer... Mas a verdade é que foi ele que cortou com as visitas e dizia: não tive tempo para ir ver a mana!! Não há cá misturas, disse a psicóloga! O Afonso está a precisar de exclusividade e haviam de o ver feliz depois de despejar o mano na escola, a mana na creche e ter ficado com os pais só para ele. Que festa! E como tínhamos uns minutos ainda fomos tomar um café e ele comeu um bolo delicioso no Éric Kaiser antes da consulta! Este tempo de exclusividade faz maravilhas e temos de conseguir ter destes momentos com cada um deles. Brincar, dar atenção e também integrar a mana nas brincadeiras com ele. Vamos ter atenção a estes aspectos, dar mimo em doses super extras e ver como correm as próximas semanas... Gostei muito da psicóloga e o Afonso também. E é reconfortante saber que há alguém que sabe mais do que eu e que nos pode ajudar sempre que tivermos dúvidas... É que nós achávamos que estávamos a fazer o que é certo, promovendo a autonomia, mas estávamos a dar-lhe um peso demasiado grande para uma criança de 3 anos... E foi quando dei por ele a pedir para ser bebé e a beliscar a mana que percebi que ele estava a acusar o nascimento da Francisca, agora que ela já tem 9 meses, mas foi com a ida da mana para a escola dele que o comportamento dele mudou... Os retrocessos nos xixi's na cama que aqui relatei há uns tempos foram resolvidos por mim quando ele me disse que fazia xixi para ir para a nossa cama. O pai só o mudava a ele... Passei a ser eu a levantar-me, a fazer a cama dele de lavado e ao fim de 2 ou 3 noites acabaram os xixi's! E agora o pai também já faz a cama quando há acidentes! 

Comentários

  1. Espero que tudo entre nos eixos! Mesmo as crianças mais autónomas precisam de saber que, de vez em quando, têm quem faça por elas. A minha mais velha, da idade do Afonso, também faz todas essas coisas, mas adora que eu lhe vista o pijama (enquanto faço brincadeiras e lhe coloco creme), apesar de tirar toda a roupa antes do banho e saber vestir-se. Principalmente desde que a mana nasceu, quando está mais carente agradece mesmo a minha "ajuda". Eles querem fazer tudo sós e serem crescidos, mas depois vamos a ver e ainda são uns bebés grandes! :)

    ResponderEliminar
  2. Tantas coisas que fazemos com a melhor das vontades e afinal, não estão a fazer bem aos filhotes!

    A ajuda profissional é preciosa para nos orientar.

    Vais ver que agora tudo bem correr melhor.

    Beijinhos,
    Paula

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!