5 de setembro de 2014

"Para onde vamos quando desaparecemos?"

Descobri este livro aqui e quero trazê-lo para casa porque me parece muito bonito e com uma abordagem muito interessante de um tema muito triste, mas tão presente. Afinal, a morte faz parte e de vez em quando perdemos alguém que amamos.

A última pessoa querida que eu perdi foi o meu avô em Janeiro de 2013. Amava-o com todas as forças que uma neta tem para amar um avó, que tinha sido um pilar na sua vida, mas perdi-o uma semana depois de uma amiga minha ter perdido uma Leonor de 4 meses e a morte do meu avô pareceu-me um processo natural, o fim de um ciclo, enquanto a morte da filha da minha amiga me parecia irreal e completamente anti-natura! Nenhuma mãe deveria perder os filhos! E eu estava grávida e só queria proteger o meu filho mais velho e o que ainda tinha na barriga. 

Claro que chorei a morte do meu avó e sinto imenso a sua falta - e olho para a minha avó e sinto que uma parte dela foi com o meu avô - mas é como vos digo, aceitei bem a morte do meu avô, aos 90 anos, depois de uma vida cheia (de coisas muito boas, voas e más), depois de um ciclo, depois de saber que o seu percurso tinha chegado ao fim e que o seu corpo velhinho e cansado tinha de descansar. 

Já falei diversas vezes sobre a morte com o meu filho mais velho. A primeira vez, tinha ele acabado de fazer 3 anos, foi quando o meu avô morreu. Ele sabe que o bivô está nas estrelas (como ele diz) com o meu pai e com o pai do pai. De vez em quando fala, pergunta... Mais recentemente fala da nossa morte e das saudades que vai ter de nós. Fala do sermos velhinhos "e vou continuar a adorar-te, mãe, mesmo quando fores muito velhinha... 

Apesar de já termos falado da morte, nunca lhe falei de crianças que partem cedo demais, nem quando a minha amiga I. perdeu a sua Leonor aos 4 meses. Não tive coragem. Achei que era demasiado duro e prefiro que por agora ele continue a acreditar que a morte chega com a velhice e como um adeus a uma longa e feliz vida.


Planeta Tangerina
Para onde Vamos quando desaparecemos | Isabel Minhós Martins · Madalena Matoso | 
 
 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!