Mães de muitos filhos pronunciem-se!

O fim de semana foi perfeito. Muito sol, muito passeio, festas de aniversário... Mas depois há também o lado das birras, do choro, dos irmãos a baterem-se, do não quererem a sopa... Ter 3 filhos sempre foi o meu sonho, adoro-os, amo-os, adoro ser mãe, mas há alturas em que sinto que eu e o meu marido nos perdemos no meio de tanta tarefa e logística que 3 filhos tão pequenos exigem. E se a bebé não quer a sopa o mais velho não quer fazer os trabalhos de casa... Entre a parte deliciosa de estar com eles ao fim de semana em programas que eles gostam e depois a logística de alimentar, vestir, lavar e deitar esta malta toda o que resta de nós os dois são duas almas mortas e exaustas, que adormecem mal se sentam a ver uma série na televisão... Não temos quem fique com os três para um programa a dois. Fomos jantar fora sozinhos uma vez, penso que em Março ou Abril, graças a um compadre fantástico e à sua família, mas não foi fácil para eles e a Francisca estranhou... Tenho saudades de ir com o meu marido jantar fora, beber um vinho, conversar, dançar, ouvir música, namorar... Só nós os dois. Às vezes tenho medo que no meio de tanta fralda, banhos, birras ao jantar, noites mal dormidas, zangas e stresses nos percamos um ao outro... É tão fácil... E nós sabemos o que nos está a faltar, do que temos saudades, do nosso tempo a dois... mas depois temos a Francisca ainda muito pequena, a minha mãe que não fica com os 3, a Francisca que ainda é dependente e no último ano fomos 1 vez ao cinema, 1 vez jantar fora os dois... E estamos a sentir falta. Muita falta. Temos uma família gigante, mas as pessoas têm as suas vidas e não confio na sobrinha mais velha para ficar com os dois, ficou com os dois, mas com os três é mais complicado, e as minhas cunhadas têm os filhos delas e as vidas delas... E não temos uma babysitter de confiança, principalmente por causa da Francisca que ainda requer uns cuidados diferentes... E as semanas passam, o meu marido vai umas noites jogar padel para descomprimir e conviver, eu tento ir ao ginásio fazer umas aulas express de meia hora que me sabem pela vida e é isto... Não é mesmo fácil. E não me estou a queixar. Não me conseguiria queixar quando ao meu lado tenho uns grandes amigos com uma das filhas no IPO com um prognóstico para lá de reservado, mas sinto que estou cansada, estamos cansados e precisávamos tanto de namorar um bocadinho, de nos rimos mais, de bebermos um bom vinho e de dançar... Nós adorávamos o Lux e apetecia-me começar com um jantar bom, algures no Bairro Alto e acabar a dançar no Lux... sem mais nada nem ninguém a não ser nós. Porque o nós é uma grande parte de mim. E tenho saudades.

Comentários

  1. Tenho uma vida parecida. Menos um filho e sem padel ou ginásio. Não há avós. Não temos dinheiro para baby-sitters. O marido só está em casa à noite de vez em quando (tem folgas rotativas). Temos um fim de semana em comum de 6 em 6 semanas. Para não enlouquecer, liguei o piloto automático. Não desejo, não sinto, não existo. A alternativa seria explodir e desaparecer. Hão-de crescer. E nessa altura, teremos saudades deles em pequeninos, dizem-me.

    ResponderEliminar
  2. Sempre tive quem me ficasse com os três para poder arejar um pouco mas há babysitters de confiança, basta procurar bem :)))) beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Aqui só é ligeiramente diferente na parte das crianças, como as minhas 2 são mais velhas (10 e 9 anos), torna-se tudo mais fácil. Já passam horas a brincar com os amigos na rua, ou chamam os amigos para brincar cá em casa. Entretém-se mais e sobra tempo para nós. Também não tenho com quem deixar os três, o que passámos a fazer é almoço e muitas vezes a tarde em vez do sair para jantar fora. Passámos a almoçar em dias da semana, temos conseguido ir 2 vezes por mês, levo só o Manel que como é ainda muito pequeno e se porta lindamente quase nem damos por ele! Não é fácil mas tentamos ter um bocadinho só para nós, também acho que é mesmo importante. Não consigo fazer como a Cátia, não sentir, não desejar, não existir, nisto das relações sou exigente. Não consigo ser boa mãe se não estiver bem comigo. Para mim o casamento está e primeiro lugar. É por ele que tenho 3 filhos, porque são do meu marido. Se não houvesse este marido não existiriam 3 filhos, por isso não faz sentido pôr os filhos à frente do casal, eles só apareceram na sequência desta relação. Já lá vão 18 anos de casamento e a verdade é que nunca estivemos tão bem como agora, não estou disposta a perder isto. Faço das tripas coração para organizar tudo muitas vezes quando estão a dormir para poder usufruir de tempo de qualidade em família. Neste momento já ando a suspirar por um almocinho a três na próxima semana (que esta o marido não pode). É não desistir amiga e encontrar aí um espacinho que seja só vosso. Beijinho.

    ResponderEliminar
  4. Não é fácil. Nós temos duas e não conseguimos porque a bebé é completamente dependente de mim. Deixo uma sugestão pois é o que provavelmente iremos fazer: tirar um dia de férias de vez em quando em conjunto, levar os miúdos a escola e ir aproveitar das 9-17h30. Não dá para ser muito frequente, mas nem que seja uma ou duas vezes no ano!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!