29 de setembro de 2016

Será que devemos mentir? O que fariam vocês?

Há uns meses falhei o aniversário do filho de uma grande amiga. A festa era às 16h e estávamos na piscina dos meus cunhados desde manhã, já tínhamos almoçado e chegada à hora combinada chamei os miúdos para ir embora, mas o mais velho disse logo que não queria ir. Não gostava do G., o G. é mais novo, não conheço os outros meninos, que devem ser todos de 4 anos e também não gosto do sítio onde vai ser a festa. O mais novo disse logo: também não vou. Fico com o mano. Eu disse que era importante irmos, que era os anos do filho de uma grande amiga…mas eles não quiseram ir. E eu, na minha ingenuidade, liguei à minha amiga a pedir desculpa e a dizer que os miúdos não iam, que estavam com o primo e que como o G. era mais novo o meu filho mais velho não queria ir e o outro disse logo que também não ia. Disse-lhe que estava há meia hora a argumentar, mas que não me fazia sentido levá-los amarrados e contrariados. Foi há 3 meses. Ainda tenho o presente no carro. A minha amiga ofendeu-se de morte. Mas o meu filho mais velho, dizia-me: tu és amiga dela, mas eu não sou obrigado a gostar dos filhos dela. E já me disse isto várias vezes. Os nossos filhos têm quase as mesmas idades, nós sempre gostámos da ideia de termos filhos de idades muito próximas ( o que não foi programado, foi coincidência) e que era giro eles também serem amigos mas o meu filho mais velho não gosta dele, os miúdos  não têm nada a ver com ele… E o mais pequeno imita tudo o que o irmão diz, pensa e faz! Eu adoro a minha amiga, mas não controlo os sentimentos do meu filho. E nem lhe contei que é sempre uma guerra quando combinamos alguma coisa. Depois lá vamos e eles acabam por brincar, mas vão sempre contrariados. Naquele dia não contrariei. Estavam 40º, os miúdos estavam felizes na piscina e ia enfiá-los numas actividades no museu da criança, onde já foram a festas e não acharam graça… Há bocado ao almoço, em conversa com colegas, surgiu contar esta situação e disseram-me logo que eu devia ter inventado uma mentira, uma desculpa… mas eu achei tão ridículo mentir a uma amiga de tantos anos… Mas ela ficou numa ofensa e afastou-se completamente. Já lhe liguei, mas é uma voz seca que me atende do outro lado… e é madrinha de um dos meus filhos e custa-me tanto. Vocês teriam mentido?

6 comentários:

  1. não sei mas concordo com o seu filho mais velho: a amiga é sua não tem que a impingir aos miúdos. E claro que eles têm o direito de escolher os amigos e se não gostam do miúdo, fazer o quê?! Esta coisa romântica que muitas mães têm do ficar gravida na mesma altura, ter os filhos da mesma idade para serem amigos … é só isso: uma ideia romântica das mães. É justo obrigar os miúdos? não me parece.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Penso que primeiro de tudo deve tentar colocar-se no lugar dela. A festa do seu filho. Ela liga-lhe e diz exatamente o que lhe disse. Não ficaria triste com a situação? Não queremos que os nossos filhos festejem com as pessoas que convidamos (e estamos a contar porque sim senhora disseram que iam)? E à última não podem ir porque não lhes apetece. Muito sinceramente acho que também ficaria triste. Não seria o fim do mundo, mas sim ficava triste. Mesmo sabendo que provavelmente o meu filho aniversariante nem terá notado! Afinal de contas eles já sabiam de antemão que tinham aquela festa. Não queremos incutir nos nossos filhos a responsabilidade do compromisso? Bem! O meu só tem 3 anos. E já me aconteceu (e acontece com frequencia!) ele não querer ir a determinado sitio porque se está a divertir muito naquele momento. Ora, tento sempre fazer lhe ver que sim, que devemos honrar os compromissos. Ainda que chegue normalmente a consenso e o deixe brincar mais uns minutos. Ou lhe prometa que outro dia voltamos ali.
    A parte do habitualmente eles já não gostam de brincar com ele, aí sim. Acho que não deve insistir. MAs naquele momento... e se preza a amiga que tem.... talvez deva insistir em um cafe. Só as duas. Conversa sincera!

    ResponderEliminar
  3. Eu não me ofenderia e compreenderia. Claro que preferia que o filho da minha amiga quisesse vir, mas não ia fazer disso um cavalo de batalha. E diria a verdade à minha amiga como fez. Ana Teresa

    ResponderEliminar
  4. Eu nesse dia não teria ido para a piscina, já sabia que na hora de vir embora seria um problema tira-los de lá ainda por cima num dia de calor em que sabe tão bem estar dentro de água :)
    Sendo madrinha de um dos meus filhos então não faltava mesmo.

    Cristina Azevedo

    ResponderEliminar
  5. Tendo em conta o dia que era, e o facto de ela ser madrinha de um dos meninos e ser uma actividade programada eu, provavelmente, teria ido na mesma, mesmo contrariando os miúdos... Quanto a mentir já não sei dizer. Acho que se fosse eu do outro lado ficaria triste com a situação, e talvez preferisse uma mentira piedosa, a uma verdade dolorosa! O melhor mesmo é insistir em conversar com ela, e esclarecer a situação.

    ResponderEliminar
  6. Em relação a mentir não, não mentia. Até por uma questão de princípio: se não quero que eles mintam, também não o posso fazer e sofrer as consequências da minha verdade.
    Concordo com o comentário da SIRF, se já era algo combinado, e por muito que eles conhecessem o local, não lhe tivessem achado grande piada, já era um compromisso e salvo situações de força maior não se falta a compromissos. É óbvio que não podemos impingir os nossos amigos e os filhos deles aos nossos, mas eles devem também perceber desde cedo que por vezes vão ter relacionamentos na vida que não lhes agrada muito, como amigos de namoradas e afins, mas com os quais devem conviver.
    E a sua amiga? Como é que ela não se terá sentido por não ter no dia de aniversário do filho dela, uma amiga e os seus filhos? Não esquecendo que se calhar o filho dela estava a contar com a presença dos seus.
    Falem as duas. Uma conversa de amigas, honesta e sincera. Uma amizade vale sempre a pena recuperar ainda para mais porque ela não é uma amiga qualquer, é uma comadre.

    ResponderEliminar

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!