17 de julho de 2015

Amizade

Hoje o mais velho falou-me das guerrinhas que andam na sala da creche e da pressão que tem sentido para não ser amigo deste e daquele sob ameaça de: deixo de ser teu amigo. Um grande amigo exige exclusividade e o meu filho, coração de manteiga, estava numa grande angústia a achar que tinha mesmo de escolher. E então, tentei explicar-lhe que ele pode ser amigo de todos. Acima de tudo, pode ser amigo de quem ele quiser e de quem ele gostar. "Mas ninguém gosta do F. e se eu gostar deixam de ser meus amigos... Disse-lhe que não, mas ele jurava que sim, e que não quer que isso aconteça. Eu disse-lhe que quem diz isso até pode ser patareco ao ponto de fingir que já não é amigo dele durante uns dias, mas que se for amigo de verdade, vai continuar a ser. E que o importante, agora e toda a vida, é ele pensar pela própria cabeça e com o coração. E no coração cabem muitos amigos, todos os que ele quiser receber. Que se mantenha firme ( perguntou-me o que era firmeza e eu expliquei falando da minha firmeza/determinação quando digo que as crianças não atravessam as estradas sozinhas e ele percebeu) que isso traz o respeito dos amigos. E que  não  deixe que lhe digam o que sentir ou o que pensar. Que ele não é nenhuma ovelha, que é um rapaz que pensa e tem uma boa cabeça. Ele ouviu tudo e percebeu, mas continuou a dizer que esse tal grande amigo quer exclusividade da amizade dele. Espero que ele consiga resolver este assunto da melhor maneira. Eque tire desta história uma aprendizagem para o futuro.

2 comentários:

  1. Essas situações criam angústia em qualquer pai.. de certeza que o ajudaste muito com a tua conversa! :)

    ResponderEliminar

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!