12 de junho de 2015

As tarefas

Cá em casa tentamos que os nossos filhos vão tendo tarefas adequadas à idade. O mais pequeno, no início dos seus dois anos, já coloca a roupa no saco da roupa suja, arruma os sapatos na sapateira, arruma os brinquedos, vai colocar a fralda e a chucha na cama, vai deitar um papel ao eco-ponto. O mais velho, a meio dos seus 5 anos, já se veste sozinho (é a primeira coisa que faz de manhã. Para não acordar o mano deixo a roupa dele preparada na sala para onde ele vai quando acorda e onde se veste antes de ligar a televisão), já vê as horas na box do Meo para depois me dizer a que horas acordou, já sabe fazer torradas e servir-se de leite e de cereais, já faz a cama ao sábado, coloca a roupa suja no saco, ajuda a despejar a máquina da loiça e a cozinhar. Mas o interessante é que não é só em casa que o mais velho tem tarefas. Na escolinha cada menino da sala dele tem tarefas, que são estipuladas à segunda feira e que se mantêm a semana toda. Esta semana o meu mais velho esteve encarregue de contar os meninos da sala para depois transmitir à funcionária do refeitório e "assim ela sabe quantos pratos tem de pôr na mesa". Mas há outras tarefas como servir água aos colegas ou ir à frente do comboio e garantir que vão todos em fila e direitinhos para o refeitório. Além de que todos raspam os pratos, separam os pratos e os talheres e colocam na respectiva bacia. E ao lanche colheres para um lado e pacotes de iogurte para outros. É tão bom saber que na escolinha deles há esta atenção, há a preocupação em fazer deles crianças autónomas que se sentem capazes de ajudar e de partilhar tarefas. Tenho a certeza que tudo isto fará diferença na formação deles e no futuro. E cada vez mais dou graças pela escolinha onde os meus filhos andam. Uma escolinha onde são recebidos com beijos e abraços, uma escolinha onde eles adoram estar, uma escolinha onde todos sabemos quem é quem, onde nos conhecemos pelos nomes, onde famílias e educadoras trabalham de mãos dadas, onde pais, tios e avós participam com actividades e partilhas de experiências, uma escola de afectos, mas que os prepara para o mundo, que lhes ensina os valores da amizade, da partilha, do amor, da educação, da responsabilidade... Uma escolinha onde eles correm, pintam, onde os deixam ser crianças e brincar ao faz de conta... Uma escola onde eles são verdadeiramente felizes e onde ao final do dia, ainda querem todos ficar mais uns minutos a brincar. E isso diz tudo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!