16 de abril de 2014

Manhãs

O mais velho ao sair de casa decidiu agarrar numas luvas que, por minha culpa, estavam esquecidas em cima de uma cadeira no hall. E sabem que mais? Deixei-o ir de luvas. Hoje o pai é que os levava, já estavam atrasados, e pensei: Vamos fazer uma cena por causa das luvas? Fica doente por elevar? Faz mal a alguém? Não! Por isso, decidi que ele levava. Dizia que tinha frio nas mãos. Pronto. Foi de luvas. Não vem mal ao mundo. E houve menos uma birra. Há tantas coisas que temos de impedir, de dizer que não, que às vezes acho importante guardarmos os nãos para quando tem mesmo que ser.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!