9 de fevereiro de 2014

Um adolescente de 4 anos

O meu marido teve a (horrível) ideia de apresentar o meu filho à Playstation e, desde então, tem sido uma pequena loucura. Eu tive de intervir e limitei a Playstation ao fim de semana até à hora de jantar. Aquilo excita-o, perturba-o e, no meu entender, não lhe faz bem nenhum. Mas o miúdo delira e joga com o pai, de igual para igual. Ontem como o pai não estava em casa à tarde não podia jogar e, em resultado disso, tive direito a ouvir: se não posso jogar playstion era melhor não ter nascido (...) não me divirto sem a playstation (...) eu não queria existir! Ele disse literalmente isto tudo. E eu fiquei ainda mais convencida que estes jogos não são saudáveis e que os levam ainda mais depressa para as crises da adolescência. O meu filho fez agora 4 anos!!! 4 anos e já tem conversas destas! Não queria ter nascido?! O que é isto?!! Eu é que fico maluca. E por minha vontade ele não jogava. Eu sei que os jogos são escolhidos (eu fiz desaparecer a Lara Croft) e são da Disney, mas mesmo assim são altamente viciantes e fazem com que quem os joga fique completamente alienado.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!