13 de abril de 2016

O meu mais velho ❤️

De manhã, quando íamos para o carro estava o funcionário da Emel a recolher as moedas da máquina. O meu filho, que olhou para aquilo como um mealheiro gigante, disse: mãe, afinal quando for grande vou trabalhar na Emel, mas não te cobro a ti, nem ao pai nem à avó! Eu expliquei que aquelas moedas não eram para o senhor, ele apenas as recolhe e entrega na empresa... Ele fez um ar profundamente desanimado e disse: assim não tem graça, já não vou trabalhar para a Emel. 

1 comentário:

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!