1 de julho de 2014

As colónias de férias da praia



Se os vossos filhos vos disserem que não querem que os inscrevam para irem para a praia com a escola, agarrem-se a isso e abracem-nos! É que isto é mesmo uma loucura. Eu estava tão ou mais entusiasmada que o meu filho mais velho, mas já estamos os dois muito desmoralizados.

O primeiro factor óbvio é o tempo. Está um frio dos diabos, mas mesmo que os dias estivessem mais aprazíveis à hora que eles saem para a praia é ainda quase de noite! Oito e quinze da manhã à porta da escola ou perdem a carrinha. E o que acontece até às 8 e 15 dava para fazer uma tese de doutoramento! Até podem dizer, ah e tal, mas essa é a hora a que eu deixo todos os dias os meus filhos na escola. Eu não! Antes das 9 nunca lá estão e o pior não é isso. É tê-los prontos às 8 e 15 de fato de banho vestido, protector solar posto e pequeno-almoço tomado.

1 - O meu filho guincha todas as manhãs que tem frio e não quer ir de fato de banho. Um dia tive misericórdia dele e vi que eu própria ia de gabardina para a rua e deixei-o ir à paisana, levando tudo no saco, e toma lá que no dia a seguir estava uma nota colada no vidro da sala: pedimos que os meninos tragam o fato de banho vestido de casa!

2 – O meu filho guincha que não quer pôr creme. Eu insisto uma vez e ele diz que não há sol! Ele tem razão e o argumento é válido. (está com ar de chuva e o céu está carregado) Vai sem creme para evitar mais gritos e que ele perca a camioneta. Aparece um raio de sol. O meu filho não pôs protector solar e toma lá que no dia a seguir estava uma nota colada no vidro da sala: pedimos que os meninos ponham protector solar em casa. Nós voltamos a colocar, mas é importante que a primeira dose seja posta em casa.

3 – O meu filho atrasa-se, que isto de não se querer vestir nem pôr o creme é coisa que demora, e lá sai de casa a tomar o pequeno-almoço. Como é pastelão, quando chegamos à carrinha ainda vai a comer. Não se pode comer na carrinha, mas lá olham para aqueles 13 quilos de gente e devem ter misericórdia da magreza e deixam-no entrar. Um dia o meu marido fez melhor e pôs-lhe comida na mochila. E toma lá que no dia a seguir estava uma nota colada no vidro da sala: pedimos que os meninos não levem comida, bebida ou guloseimas na mochila, que nós fornecemos tudo.

A acrescentar a isto, uma mãe maluca que deixa o carro no meio da estrada e corre com um ao colo e outro pela mão para enfiar o puto no autocarro. Somos quase sempre os últimos e acho sempre que vai ficar em terra. Mas não. Ele lá entra e depois junto-me aos pais e mães que ali ficam a dizer adeus aos seus tesouros. Entre lhes porem o chapéu, mais a placa identificativa são uns 5 minutos. E nós a acenar. E e eu a pensar que no dia seguinte não vou correr tanto. E eles lá seguem. Uns dias mais animados que outros, uns dias com mais frio que outros.

E no regresso, muita areia e brinquedos a menos na mochila e a pergunta: foi giro, tomaram muitos banhos? E a resposta: oh, mãe, nós só molhámos os pés e a água estava gelada!

Nota: esta é a segunda semana e só na sexta-feira passada esteve um dia bom de praia. Ou uma manhã, para sermos mais rigorosos. Porque verdade seja dita, eles estão mais tempo na carrinha do que no areal. É que é este reboliço todo e stress matinal, e eles ao meio dia já estão na escola a almoçar.

2 comentários:

  1. Pois, assim parece stressante... Eu deixo a minha filha na escola todos os dias antes das 8 e ela ainda não vai à praia. Segundo sei os que vão à praia só vão às 9h, mas também o caminho são 5 min...

    ResponderEliminar
  2. Eu não inscrevi o meu filho na praia. Fica com outros meninos na escola a brincar. Diverte-se imenso e não temos de estar na escola às 8h15.
    Não estou nem um bocadinho arrependida!
    Bjs,
    Paula
    vidademulheraos40.blogspot.com.

    ResponderEliminar

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!