29 de fevereiro de 2016

E quando se decide que a loja fechou...

... e o assunto está fechado e bem fechado é tão fácil separar as roupinhas de recém nascido e pensar no destino a dar-lhes. Tenho muita roupa de bebé linda e como nova que já não uso e que a Francisca não vai usar e chegou a hora de lhes dar vida nova, noutras famílias. Há roupas assumidamente de rapaz de 6 a 12 meses que estão fora, emprestadas, mas a maioria da roupa está pronta para seguir viagem. Estou a seleccionar várias associações, entre elas  a Associação de Solidariedade Social Mercado dos Santos, e estou a fazer pequenos sacos de modo a que consiga chegar a diferentes pessoas. Até agora tinha guardado quase tudo, mas a certeza que não irei ter mais filhos ajuda a destralhar a roupa de bebés. Acho que se não tivesse laqueado as trompas esta certeza não seria tão vincada... Não sei. Mas chegou a hora de dar a quem mais precisa e emprestar a quem depois se compromete a dar quando já não precisar. Todas as roupas têm uma história. E eu que tenho uma memória brutal (e acho que aqui as mães são todas muito parecidas) sei bem quem vestiu o quê, em que dia... As roupas dos nossos filhos contam histórias, mas não é por isso que as vou deixar guardadas enquanto há tantas crianças que precisam. Se vou guardar algumas de recordação? Não sei. A minha irmã ainda não foi mãe e eu poderia guardar para ela algumas coisas, mas não gosto muito de guardar para uma criança que ainda não existe... Acho que prefiro depois ajudá-la a comprar o enxoval, quando chegar a altura. Se calhar guardo meia dúzia de peças como recordação... Não sei bem. Vou começar a arrumar e a separar o que já não serve e depois logo decido...

2 comentários:

  1. Aqui ainda não está decidido. Talvez ainda arrisque outra gravidez, não sei. Também já não tenho muito tempo para decidir, mas por enquanto não vou dar nada!
    Beijinho

    Maggie

    ResponderEliminar

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!