26 de dezembro de 2017

Um artigo do DN para reflectir!

Que tristeza. Felizmente, estamos bem longe destas estatísticas em que os meninos são reis e os pais se endividam para que os meninos tenham tudo o que querem no Natal!

Os filhos pedem, os pais compram. Mesmo que não tenham dinheiro, é o título deste artigo do DN que vale a pena ler e reflectir.  Como é possível? Que crianças e jovens estamos a criar? É triste que os pais se demitam da sua função de educar, de formar, de preparar para vida... É triste quando se compensam tantas faltas com mais e mais brinquedos, cada vez mais caros... Cada família faz como quer, tenho exemplos bem próximos de crianças mimadas até ao infinito, que se estão a transformar em pequenos ditadores insuportáveis porque os pais são muito ricos e os meninos têm tudo o que querem... e quando entra a palavra divórcio na equação a loucura aumenta, como se o amor de cada um dos pais se medisse na quantidade e valor dos presentes... É triste, muito triste... 

Os meus filhos receberam mais presentes do que eu gostaria porque a família é enorme, mas cada familiar só só teve direito a dar um presente e muitos deles foram partilhados por mais do que uma pessoa. E já separaram alguns que vão directos para associações, ainda dentro de caixas, novinhos a estrear, porque cá em casa seria mais um e para alguns meninos fará toda a diferença! Não somos exemplares, não somos perfeitos, mas tentamos ao máximo criar filhos que sabem que não podem receber e ter tudo o que querem, que dão valor às coisas, que ficaram felizes porque o que mais queriam foi deixado pelo Pai Natal... Não quero quartos atulhados de brinquedos a que eles não ligam nem crianças que acham que na vida basta quererem e recebem tudo de mão beijada. Adoro ver a felicidade dos meus filhos quando desembrulham o presente certo, é das melhores sensações... Adoro fazê-los felizes, mas com bom senso, sem cair em excessos nem exageros... 


Sem comentários:

Enviar um comentário

Gosto de saber o que as outras vidas têm a dizer sobre isto!